InícioCuriosidades10 curiosidades importantes sobre a fibromialgia

10 curiosidades importantes sobre a fibromialgia

Publicidade

A fibromialgia é um distúrbio crônico do sistema nervoso central que envolve dores por todo o corpo, além de fadiga.

Todo mundo que tem fibromialgia tem experiências diferentes, o que é um dos motivos pelos quais os mal-entendidos e mitos costumam cercar essa condição.

Saber os fatos sobre a fibromialgia – e ser capaz de separá-los dos mitos – é essencial para fazer as melhores escolhas para controlar a doença.

“Quanto mais informado e ativo o paciente estiver, melhor será para ele em condições como esta”, diz Don L. Goldenberg, MD, reumatologista e professor emérito de medicina e enfermagem na Oregon Health and Science University em Portland.

“Eles realmente precisam obter informações médicas sólidas.”

Com esse espírito, aqui estão 10 equívocos amplamente difundidos sobre a fibromialgia, bem como o que sabemos ser verdade:

Mito número 1: é tudo coisa da sua cabeça

Fato: para as pessoas que sentem dor e outros sintomas associados à fibromialgia, o distúrbio é muito real, diz o Dr. Goldenberg.

A condição causa “dores musculares generalizadas e crônicas”, observa ele. “No momento em que as pessoas vão ao médico, geralmente já se passaram muitos meses ou anos” desde o início dos sintomas.

Mas muitos médicos, lamenta Goldenberg, ainda não entendem a condição.

“A maioria dos médicos pensa que se seu cotovelo dói, ou se seu joelho dói, ou se seu ombro dói, a patologia está diretamente nessas áreas”, diz ele. “Na fibromialgia, isso não funciona. A dor, na verdade, vem do cérebro.”

Esse mal-entendido sobre as origens da dor, diz Goldenberg, é “um dos motivos pelos quais é muito controverso e foi por muito tempo meio que ridicularizado como, ‘está tudo na sua cabeça'”.

Mito número 2: a fibromialgia é um diagnóstico genérico

Fato: a fibromialgia tem critérios diagnósticos específicos, desenvolvidos pelo American College of Rheumatology (ACR).

Muitas pessoas têm a impressão de que a fibromialgia é um diagnóstico “genérico” ou “substituto” porque não existe um único teste ou sintoma óbvio usado para diagnosticá-la.

Recomendamos:  10 motivos para os librianos serem os melhores do zodíaco

“Há muito pouco para ver em um exame físico”, diz Goldenberg. “Os testes de laboratório são normais.”

Segundo o ACR, a fibromialgia é diagnosticada com base nos seguintes fatores:

  • Múltiplas áreas doloridas do corpo (em ambos os lados, acima e abaixo da cintura)
  • Sintomas adicionais, como fadiga, sono insatisfatório e dificuldade de pensar ou se concentrar
  • Sintomas que duram pelo menos três meses
  • Nenhuma outra causa aparente para esses sintomas

Mito número 3: a fibromialgia afeta apenas as mulheres

Fato: entre 75 e 90 por cento das pessoas diagnosticadas com o distúrbio são mulheres, de acordo com a National Fibromyalgia Association (NFA).

A fibromialgia afeta cerca de 10 milhões de adultos nos Estados Unidos, diz o NFA, o que significa que entre 1 milhão e 2,5 milhões de homens nos Estados Unidos foram diagnosticados com fibromialgia.

Mas Goldenberg diz que a incidência real entre os homens pode ser ainda maior, uma vez que o preconceito baseado no gênero pode desempenhar um papel na forma como os médicos diagnosticam a fibromialgia.

Mito número 4: fibromialgia e artrite são a mesma condição

Fato: Fibromialgia e artrite têm pouco em comum, exceto sensações de dor e fadiga.

Ao contrário da artrite, a fibromialgia “não afeta principalmente as articulações. Afeta músculos e tecidos moles ”, diz Goldenberg.

E ao contrário da artrite e de outras doenças reumáticas (semelhantes à artrite), a fibromialgia não é uma doença caracterizada por inflamação. Na verdade, os marcadores de inflamação tendem a ser normais.

Em vez da dor que vem de uma área inflamada do corpo, na fibromialgia, “A dor na verdade vem do cérebro, do sistema nervoso central”, diz Goldenberg.

Mito número 5: É necessária uma dieta especial para fibromialgia

Fato: Nenhuma dieta específica demonstrou reduzir os sintomas da fibromialgia, de acordo com o National Institutes of Health (NIH).

Em vez disso, você deve simplesmente se concentrar em seguir uma dieta saudável e equilibrada que inclua grãos inteiros, fontes de proteína magra, laticínios com baixo teor de gordura, frutas, vegetais e muita água.

Também é uma boa ideia limitar o consumo de cafeína, açúcares refinados, alimentos fritos, carnes vermelhas, alimentos processados ​​e álcool.

Mito número 6: os tratamentos complementares e alternativos são inúteis

Fato: as terapias de movimento meditativo, como tai chi, ioga e qigong – parecem melhorar os sintomas da fibromialgia, de acordo com uma revisão publicada em janeiro de 2013 na revista Rheumatology International.

Neste estudo, melhorias medidas foram observadas nas áreas de interrupção do sono, fadiga e depressão.

E em um estudo publicado em novembro de 2017 no mesmo jornal, uma massagem do tecido conjuntivo foi encontrada para ajudar com dor, fadiga e perturbações do sono em mulheres com fibromialgia.

Mito número 7: Você deve evitar exercícios

Fato: O exercício é o tratamento mais eficaz para a fibromialgia, segundo o American College of Rheumatology.

O exercício aeróbico, em particular, demonstrou ser útil na redução dos sintomas da fibromialgia. Isso inclui atividades como caminhada, ciclismo, natação e hidroginástica.

Mas Goldenberg acredita que o alongamento e o treinamento de força também são úteis para muitas pessoas. O treinamento de força pode significar o uso de pesos, máquinas de exercícios, faixas de exercícios ou seu próprio peso corporal para resistência.

Embora o exercício possa ser doloroso ou difícil no início se você tiver fibromialgia, a atividade física regular pode ajudar a melhorar seus sintomas e tornar os exercícios mais fáceis.

Mito número 8: Você está apenas cansado

Fato: a fadiga na fibromialgia vai muito além do cansaço. Como observa Goldenberg, a condição causa “uma tremenda fadiga. As pessoas estão muito cansadas. ”

Recomendamos:  Para melhorar o ambiente da sua casa tenha uma destas 13 plantas

Embora a fadiga seja um sintoma comum da fibromialgia, um artigo publicado em novembro de 2013 na revista Arthritis Research & Therapy conclui que ela não ocorre isoladamente.

Em vez disso, a fadiga na fibromialgia está associada a outros sintomas – incluindo dor, perturbações do sono e distúrbios do humor – e todos esses sintomas podem influenciar uns aos outros.

Mito número 9: Você pode tomar uma pílula para fazer os sintomas da fibromialgia desaparecerem

Fato: os tratamentos com medicamentos não funcionam muito bem para muitas pessoas com fibromialgia.

“A verdade é que não temos medicamentos muito bons”, diz Goldenberg. “Eles funcionam bem em talvez um em cada três ou quatro pacientes.”

Embora você possa ver alguns benefícios em tomar um medicamento aprovado para tratar a fibromialgia, seus sintomas provavelmente irão apenas diminuir, e não desaparecer.

É provável que você ainda precise incorporar medidas de estilo de vida, como exercícios, redução do estresse, bons hábitos de sono e, possivelmente, terapia cognitivo-comportamental (TCC), em seu plano de tratamento.

Mito número 10: Não há nada que você possa fazer

Fato: Embora não haja cura para a fibromialgia – e a medicação não funcione para todos – ainda há uma ampla gama de opções disponíveis para o tratamento.

“As abordagens não farmacológicas realmente funcionam bem, ou talvez até melhores,” do que medicamentos para muitas pessoas com fibromialgia, observa Goldenberg.

Se o seu tratamento atual não está dando o alívio de que você precisa, peça ao seu médico para tentar algo novo, seja exercícios, medicamentos prescritos, analgésicos de venda livre (OTC) ou tratamentos alternativos, como massagem ou movimento meditativo.

Publicidade

Se esse artigo foi útil para si, clique aqui e descubra mais informações e dicas valiosas. via: Everydayhealth

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais vistos