InícioComportamento15 histórias de pessoas inspiradoras que vão mudar sua vida

15 histórias de pessoas inspiradoras que vão mudar sua vida

Publicidade

Muitas vezes nos encontramos no piloto automático – acordando na mesma casa, vestindo as mesmas roupas, usando o mesmo transporte para o mesmo emprego de sempre.

Até mesmo nossas resoluções de Ano Novo para mudar, mal passam do Dia dos Namorados. E, embora seja perfeitamente natural (e normal) que os humanos almejem a rotina, há muito a ser descoberto fora dos limites de nossas zonas de conforto.

“Temos a tendência de criar desordem e permanecer estagnados quando estamos fazendo as mesmas coisas”, diz Julie Coraccio, coach de vida e proprietária do Reawaken Your Brilliance.

“Quando começamos a ver as coisas de forma diferente e olhamos ao nosso redor, nos abrimos para novas possibilidades e novas oportunidades e podemos eliminar o medo.”

Geralmente, é o medo, ou a energia do medo, diz ela, que é maior do que o que realmente temos que fazer e mudar.

Sentindo que pode estar pronto para fazer uma grande mudança em sua vida? Leia como essas pessoas inspiradoras fizeram movimentos radicais, arriscaram e embarcaram em aventuras épicas.

CORTESIA JAIME COKER ROBINSON

“Aos 53 anos, abri meu próprio restaurante.”

—Brad Gold, 72, Los Angeles, CA

“Quando fui demitido aos 53 anos de um cargo de gerência sênior em uma rede de restaurantes em dificuldades, sabia que seria difícil encontrar outro emprego no mundo corporativo.

Eu também sabia que era agora ou nunca perseguir meu sonho de ter meu próprio restaurante. O mais assustador era que, para fazer isso acontecer, eu precisaria encontrar um café existente que estava com baixo desempenho e cujo proprietário estava altamente motivado para sair do aluguel.

Tive muita sorte e encontrei exatamente o que queria a oito quarteirões de casa. Como nunca havia planejado financeiramente este dia, tive que pedir dinheiro emprestado a amigos e parentes.

Mudei o nome para Black Dog Coffee, o menu, as receitas e o visual do café, e minha esposa fez um ótimo trabalho de ‘projetar por um centavo.’

Dezoito anos depois, ainda estamos aqui e melhor do que nunca. Sou eternamente grato pela dispensa e pela oportunidade de perseguir meu sonho.”

CORTESIA SCOTT SCHMAREN

“Superei meu medo e perdi mais de 80 quilos.”

—Scott Schmaren, 54, Saint Charles, IL

“Aos 40 anos, e tendo lutado contra a obesidade toda a minha vida (tinha 5’6″ (1,68 m) e pesava 360 libras (163,29 kg), perdi e mantive mais de 180 libras (81,65 kg) usando a hipnose.

Eu não queria passar minha vida inteira triste, deprimido e obeso. Eu não aguentava mais e sabia que se não mudasse, iria morrer. Eu queria mais. Queria ser feliz, saudável e cheio de amor e vida.

A partir dessa perspectiva, comecei minha jornada para mudar a forma como minha mente pensava e funcionava. Abandonei minha carreira no mercado imobiliário para comprometer minha vida e carreira a ajudar outras pessoas a mudar suas vidas e ajudá-las a superar seus obstáculos e desafios.

Tornei-me hipnotizador e orador público. Isso foi há 15 anos e agora estou na melhor condição física, mental e espiritual da minha vida.

Ainda peso 80 quilos e minha vida, e carreira estão ajudando as pessoas a criar e realizar seus sonhos”. 

CORTESIA CRAIG SHAPIRO

“Eu me tornei vegano por causa da minha saúde.”

—Craig Shapiro, 64, Virginia Beach, VA

“Eu trabalhava em um jornal há mais de 30 anos quando minha mudança de vida apareceu: eu estava ‘reduzido’. Passei por uma depressão séria depois disso e cheguei ao ponto em que não conseguia dormir, não fazia exercícios e não me importava com o que comia.

Decidi reavaliar minha vida e o que mais me apaixona, que é ficar saudável. Eu tinha lutado contra pressão alta e colesterol alto no passado. Também decidi não consumir mais produtos de origem animal.

Os três maravilhosos cães adotivos que dividem minha casa não são diferentes das vacas, porcos e galinhas cuja carne empilhamos em nossos pratos. Eles pensam, sentem e fazem parte de uma família.

Ao me tornar vegano, estou salvando vidas de animais e ajudando o meio ambiente – a produção de carne envenena o ar e a água.

Boa saúde, consciência limpa, um planeta mais limpo – essa é uma combinação inebriante.” 

CORTESIA ALLEN KLEIN

“A perda de minha esposa me levou a fazer uma grande mudança.”

—Allen Klein, 79, San Francisco, CA

“Quando eu tinha 40 anos, minha esposa morreu de uma doença rara do fígado. Ela tinha 34 anos. Na época, tínhamos uma filha de 10 anos e eu era coproprietário de uma serigrafia em San Francisco.

Após a morte dela, percebi que havia algo maior que precisava fazer na minha vida, mas não tinha ideia do quê. Então, vendi minha metade do negócio para meu sócio e esperei orientação para saber o que fazer a seguir.

Minha esposa tinha um grande senso de humor e, embora houvesse muitas lágrimas durante os três anos de sua doença terminal, houve muitas risadas.

Depois que ela morreu, percebi como aquela risada era importante, embora muitas vezes breve, e como me ajudou, ela e as pessoas ao seu redor a lidar com sua doença.

Recomendamos:  Liberte-se de pensamentos negativos, siga essas 5 dicas

Voltei para a escola para aprender sobre humor terapêutico, comecei a falar sobre isso e se ofereceu como voluntário com pessoas que estavam morrendo de vontade de ver como eles usavam o humor para ajudá-los a lidar com a situação.

Tudo isso se tornou alimento para o meu primeiro livro, O poder de cura do humor, que agora está em sua nona tradução em língua estrangeira.” 

CORTESIA KAREN WHITEHEAD

“Voltei para a escola aos 46 para me tornar psicoterapeuta”

—Karen Whitehead, 52, Alpharetta, GA

“Eu fazia parte da geração sanduíche com um filho na faculdade, um se formando no ensino médio e um no ensino médio, tudo enquanto cuidava da minha mãe idosa que estava tendo grandes problemas de saúde na época.

Eu estava trabalhando como professora da terceira série depois de fazer uma pausa para ficar em casa com meus filhos. Depois de alguns anos, percebi que estava infeliz.

Comecei a ter problemas de saúde física e meu nível de estresse estava às alturas. Isso não era mais o que eu queria fazer, mas não tinha ideia do que queria.

Então, com o apoio e incentivo de meu marido e família, consegui um emprego em uma escola independente trabalhando com arrecadação de fundos e comunicação.

Quando meu supervisor imediato saiu para trabalhar em um hospício de internação e me pediu para acompanhá-lo, fiquei animada para me conectar com as famílias e os pacientes.

Comecei a me reunir com diferentes profissionais para explorar opções de carreira em medicina ou serviços sociais e reservei um tempo para revisar catálogos de cursos nas universidades.

Decidi fazer um programa de mestrado online em Serviço Social na Universidade de Boston. Larguei meu emprego, tirei uma licença no meio do caminho para cuidar de minha mãe, que estava com problemas de saúde, e concluí o programa em três anos.

Agora tenho um consultório particular, Karen Whitehead Counseling,  onde ajudo clientes com estresse, ansiedade, câncer e doenças crônicas a aproveitar a vida novamente.”

CORTESIA CANDICE KILPATRICK

“Eu me mudei pelo mundo depois de deixar um casamento morto.”

—Candice Kilpatrick, 40, Nova York, NY

“Eu morava na Ásia havia nove anos, trabalhando como professora e tinha um casamento morto. Sete meses depois de deixar meu marido, descobri que ele estava me traindo.

Eu queria desesperadamente recomeçar em uma nova cidade onde pudesse escolher minha própria identidade, e não viver na pequena comunidade de expatriados onde seria conhecida como ex-esposa de alguém.

Dei um grande salto e me mudei para Nova York com duas mochilas e nenhum amigo ou membro da família à vista.

Desde que me mudei para os Estados Unidos, trabalhei em redes sociais para grandes marcas como Yahoo!, Duane Reade e Moët. Também sou recém-casada com um homem incrível!

Dei um salto enorme e valeu a pena! Você está no controle de seu próprio destino!” 

CORTESIA LESLIE BRADFORD SCOTT

“Deixei um emprego miserável e bem pago e aluguei uma cabana no deserto.”

—Leslie Scott, 52, Crescent City, FL

“Aos 42 anos, com duas filhas prestes a terminar a escola, larguei meu emprego de salário de seis dígitos trabalhando em um ambiente tóxico e escapei para uma cabana à beira de um rio.

Pais solteiros, um ex-marido horrível e um chefe misógino levaram meu bem-estar emocional a quase zero. Em 2009, com meus filhos já crescidos, cheguei à conclusão de que a vida não era para ser tão difícil e com certeza havia outro caminho.

Eu iria reconstruir minha vida do zero, mesmo que isso significasse perder tudo no processo. Aluguei uma cabana no deserto e sentei-me à beira de um rio por nove meses, vivendo de minhas economias.

Eu caminhei, andei de caiaque, li, escrevi e desvendei minhas emoções. Foi restaurador. Após nove meses, encontrei um emprego na indústria de recreação. Foi uma mudança em relação ao que eu fazia, mas adorei.

Um fim de semana, contratei um piloto de hidroavião para me deixar no deserto para uma caminhada. No caminho, nos apaixonamos e acabei indo morar com ele.

Ele era um instrutor de voo e me treinou para pilotar um avião. Depois de algumas tentativas fracassadas de negócios, abri minha própria empresa de beleza e banho, Walton Wood Farm, que se tornou uma marca internacional de vários milhões de dólares em apenas três anos.

Se eu não tivesse encontrado coragem para começar do zero, provavelmente ainda estaria presa naquela concessionária trabalhando para um tirano, hoje.

Eu não teria conhecido meu querido marido, começado um negócio e não teria realizado meu sonho de infância de me tornar um piloto do mato.

CORTESIA LEIGH WILSONS

“Abandonei minha carreira corporativa de 20 anos para viajar pelo mundo.”

—Leigh Wilson, 42, Chicago, IL

Continue a ler após a publicidade.

“Estou empregada, de alguma forma, desde os 15 anos, tirando apenas uma semana entre as mudanças de emprego em todo o país. Ao longo de minha carreira profissional, planejava minhas férias pagas com anos de antecedência, maximizando meu tempo fora o máximo possível.

Recomendamos:  Aprenda a fazer "círculos de gatos" a nova mania da internet que você precisa saber

Depois de uma viagem turbulenta ao Sudeste Asiático em 2016, decidi que queria viajar mais fundo, além das explosões habituais de uma ou duas semanas, onde o trabalho está se acumulando atrás de mim.

Quando comecei a fazer blogs de viagens e a me envolver com a comunidade nômade digital, percebi que há muitas pessoas fazendo exatamente isso, mas não conheço ninguém na minha ‘vida real’ que já se desviou da carreira tradicional.

Apesar do medo, decidi desligar a vida corporativa. Comecei um site chamado Campfires & Concierges e, junto com meu cachorro, embarquei em uma viagem de seis meses e 10.000 milhas pelo sudoeste americano e Baja México.

Para me preparar, cortei despesas e vendi muitos dos meus pertences. Vendi minha casa e reduzi o tamanho para 800 pés quadrados há alguns anos, o que torna a mudança para o meu veículo e uma unidade de armazenamento um pouco mais fácil!” 

CORTESIA JILL SHERER MURRAY

“Aos 41, deixei meu namorado, trabalho, condomínio e voltei para casa.”

—Jill Sherer Murray, 54, Doylestown, PA

“Mesmo tendo tudo o que sempre quis e morando em uma grande cidade por quase 20 anos, estava sendo retida. Minha vida simplesmente não estava me movendo na direção dos meus sonhos ou me permitindo crescer da maneira que eu realmente queria.

Embora minha vida fosse boa, simplesmente não era boa o suficiente. Havia coisas que eu queria fazer, ser e ter que eu sabia que estavam lá fora, mas se eu ficasse onde estava, elas permaneceriam fora do meu alcance.

Eu queria me casar e, depois de 12 anos, meu namorado ainda não conseguia se comprometer. Na verdade, recentemente dei uma palestra no TEDx chamada “O poder incontrolável do desapego” sobre como deixei esse relacionamento ir.

Eu também queria ser escritora, palestrante e professora e, enquanto escrevia uma coluna para uma grande revista, também estava estagnada em um trabalho corporativo que simplesmente não me movia.

E embora eu adorasse Chicago, meu amor por uma cidade simplesmente não era o suficiente para me manter presa. Então, mesmo que fosse totalmente aterrorizante e o medo de ficar sozinha fosse palpável, eu saí de qualquer maneira.

Eu disse ao meu namorado que estava tudo acabado e coloquei tudo o que eu possuía no meu Toyota RAV4 e um caminhão de mudança e me mudei quatro estados para a minha cidade natal.

Foi a coisa mais assustadora e melhor que já fiz na minha vida. Um ano depois de partir, eu me descobri vivendo em uma comunidade bucólica de artistas, escrevendo um blog chamado ‘Diário de um escritor em crise de meia-idade’ para uma conhecida revista literária, escrevendo freelance e desfrutando de um feliz noivado com um maravilhoso homem que eu pensei que nunca iria encontrar.”

CORTESIA STAR STAUBUCH

“Eu voei para Paris para meu aniversário de 40 anos.”

—Star Staubach, 41, Taylor Mill, KY

“Parece luxuoso, certo? Parecia impossível para aquela mãe de meia-idade de três filhos, sem creches e sem economias, fazer qualquer coisa por si mesma. Mesmo assim, ousei sonhar e disse isso em voz alta um dia, enquanto voltava do trabalho de ônibus para casa.

A mulher sentada ao meu lado tirou um lenço de papel da bolsa para assoar o nariz. No tecido estavam estrelas e a Torre Eiffel. Meu nome sendo Star, só fazia sentido que isso fosse um sinal.

Quando compartilhei a história com amigos, eles a afirmaram. E o que foi ainda mais chocante é que uma amiga me disse que tinha um timeshare em Paris que custava apenas US $120 por semana e estava disponível no meu aniversário.

Ah, e ficava a cinco quilômetros da Torre Eiffel! Enquanto meu marido procurava voos, ele descobriu que tínhamos 50.000 milhas (80.467,2 km) aéreas que não sabíamos que tínhamos (três filhos pequenos, há anos que não voávamos para lugar nenhum).

Os avós concordaram em levar as crianças, que nunca tinham ficado longe de nós durante a noite. No meu aniversário de 40 anos, corri cinco quilômetros até a Torre Eiffel e voltei para o nosso condomínio.” 

CORTESIA LIZ BERMAN

“Abandonei uma carreira de 15 anos em recursos humanos para me tornar padeiro.”

—Liz Berman, 43, Natick, MA

“Comecei fazendo bolos para meus filhos e rapidamente percebi que a panificação me proporcionava uma saída criativa que estava faltando em meu trabalho com recursos humanos.

Comecei a postar fotos do meu trabalho no Facebook e logo desenvolvi um grande número de seguidores. Amigos e amigos de amigos começaram a me pedir para fazer bolos para eles, então achei que deveria dar uma chance a isso como um negócio!

Após vários anos cozinhando à noite enquanto trabalhava em meu escritório durante o dia, decidi dar o salto e trabalhar em tempo integral. Isso foi há cinco anos e nunca mais olhei para trás!

Desde então, o negócio cresceu dramaticamente! Foi claramente a melhor decisão para mim, porque explora um lado criativo e empreendedor de mim que antes não havia sido realizado.

Recomendamos:  Ouriço gigante faz dieta radical porque ficou gordo demais para se enrolar como uma bola

O bônus adicional é que posso estar em casa para meus filhos todos os dias quando eles voltam da escola!”

CORTESIA MEG REMIEN

“Comecei uma linha de roupas enquanto estava de repouso na cama.”

—Meg Remien, 31, San Francisco, CA

“Em 2014 quebrei minha coluna em um acidente de esqui. Na verdade, quebrei cerca de 10 ossos – seis deles estavam nas minhas costas. Não pude trabalhar sozinha por vários meses e confiei na minha família e no meu marido para fazer tudo por mim.

Estar naquela condição era humilhante, mas também muito enfadonho. Assistir excessivamente a todos os tipos de programas e filmes acabou se tornando monótono.

Foi quando comecei a desenhar. Depois do meu acidente, eu ficava na cama quase todas as horas do dia. Meu pijama e minha roupa de dormir ficaram desconfortáveis.

Percebi que não gostava do cós de um ou do tecido de outro e comecei a pesquisar onde poderia encontrar exatamente o que estava procurando. Então percebi que não existia.

Também comecei a pesquisar moda ecológica. Foi assim que minha empresa de roupas, Raven & Crow, surgiu. Nunca pensei que isso se transformasse em um negócio, mas toda vez que eu explicava meu conceito para alguém novo, eles diziam: ‘Parece incrível.

Avise-me quando tiver algum e eu comprarei. ‘ Então, com um desenho simples e um tecido de bambu que adorei, mandei cortar e costurar meu primeiro par. O resto é história.”

CORTESIA AETHERLIGHT PHOTOGRAPHY

“Eu me mudei para a Irlanda depois de nunca ter vivido fora de Massachusetts.”

—Anne Driscoll, 62, Irlanda

“Como jornalista que adora histórias, sempre me senti atraída pela Irlanda, o país e a cultura que praticamente inventaram a narrativa. O problema: encontrar trabalho legalmente e mudar-se para lá parecia quase impossível.

Eu havia arquivado a ideia como derrotada. Então, no verão de 2012, enquanto eu estava em uma conferência de Repórteres e Editores Investigativos em Boston, eu estava conversando com um amigo jornalista.

No decorrer de nossa conversa, ela mencionou com indiferença: ‘Acabei de voltar de uma bolsa Fulbright na Irlanda’. Posso dizer, com toda a franqueza, que aquela frase mudou a trajetória de toda a minha vida.

Isso me deu um possível roteiro para a Irlanda e eu decidi me inscrever para uma bolsa Fulbright. Tive três semanas para cumprir o prazo e, nesse tempo, tive a ideia de ensinar a estudantes de direito do Irish Innocence Project no Griffith College Dublin como investigar condenações ilícitas usando habilidades de jornalismo.

Rapidamente montei uma proposta de cinco páginas, programas de dois cursos, bibliografia, três cartas de referência e uma carta-convite do diretor do Irish Innocence Project.

Fui aceita e a faculdade me convidou para ficar depois de meu ano na Fulbright terminar para servir como gerente de projeto do Irish Innocence Project.”

CORTESIA KIM CARSTENS

“Decidi abrir um restaurante aos meus 50 anos.”

—Kim Carstens, 55, Des Moines, IA

“Minha mãe abriu uma lanchonete quando eu era criança, então, em essência, eu cresci no ramo. Como adulto, acabei indo em outra direção – algo mais seguro e estável.

Mas algo continuava me incomodando porque eu estive fora do mercado por muito tempo. Larguei meu emprego seguro e aceitei um emprego como garçonete e recepcionista, para aprender como funciona um restaurante.

Depois de me sentir confortável com tudo que havia aprendido, trabalhei para abrir meu restaurante, que batizei em homenagem a minha mãe.

Não foi sem seu próprio conjunto de desafios, mas não me arrependo de minha decisão. Eu amo estar nesta cena e conhecer novas pessoas. Acho que me lembra minha mãe.”

CORTESIA JOHN MCGRAIL

“Eu devolvi meu salário de seis dígitos por uma chance de fazer uma busca espiritual.”

—John McGrail, 64, Los Angeles, CA

“Fui o vice-presidente de desenvolvimento de negócios de uma produtora de multimídia de grande sucesso com um portfólio de clientes Fortune 100.

Nossa empresa foi comprada por uma empresa pontocom que estava prestes a implodir, pouco antes do colapso das pontocom em 2001. Quando veio a implosão, nossa equipe administrativa foi expurgada.

Passei de um saudável salário de seis dígitos mais bônus para repentinamente desempregado; um momento divisor de águas.

Com minha experiência e reputação, eu poderia simplesmente polir meu currículo e garantir outro cargo fazendo praticamente a mesma coisa. Em vez disso, tirei uma folga e fiz algumas reflexões.

Percebi que, em todos os empregos que já tive, o que mais amei foi ensinar, treinar e orientar minha equipe.

Então, depois de um exame de consciência e verificar uma variedade de maneiras de servir às pessoas, decidi voltar para a escola e obter uma certificação em hipnoterapia clínica. Isso foi há cerca de 15 anos, e eu não ‘trabalhei’ um dia desde então.”

Publicidade

Se você se identifica com alguma dessas histórias, deixe-nos saber, contando nos comentários. Via: rd 

- Publicidade -

Mais vistos