InícioComportamento5 coisas que você pode fazer para esquecer momentos que te fizeram...

5 coisas que você pode fazer para esquecer momentos que te fizeram passar vergonha

Publicidade

Meu erro mais constrangedor aconteceu no trabalho, diante de todo o departamento de Marketing.

Eu escrevi uma petição cheia de trocadilhos para ajudar um colega de trabalho a conseguir uma vaga para estacionar que achei que ele merecia.

Embora a maioria de meus colegas de trabalho compartilhasse meu amor pelo sarcasmo, aprendi que nossa alta administração não compartilhava – e agora, por minha causa, nos via como reclamantes ingratos.

Então, meu chefe convocou uma reunião apenas para me criticar publicamente na frente de todos.

Embora eu soubesse que todos cometem erros e que as pessoas acabariam se esquecendo disso, foi uma verdadeira luta superar meu constrangimento.

Meu crítico interno estava gritando e comecei a ficar obcecado com o que meus colegas de trabalho e equipe iriam pensar de mim agora. Eu sabia que se não fizesse algo, minha preocupação iria virar uma bola de neve em plena vergonha.

O constrangimento faz com que nos sintamos expostos, estranhos e cheios de arrependimento.

É uma emoção pública experimentada apenas em relação a outras pessoas, levando-nos a temer o que os outros devem pensar de nós (e, claro, presumindo o pior).

Essas 6 mudanças de mentalidade me ajudaram a quebrar meus padrões de pensamento autodestrutivos e me impediram de relembrar a experiência indefinidamente.

Mudar minha perspectiva me permitiu deixar de lado o medo do que as outras pessoas pensam de mim, me deu poder para me perdoar e me deu clareza para viver com autenticidade sem remorso.

1) Volte seu foco para seus valores essenciais

Os valores essenciais são qualidades que representam nossas maiores prioridades e crenças profundamente arraigadas.

Antes de fazer o trabalho interno para determinar o que realmente valorizo, questionei tudo o que disse e fiz.

Eu me sentia perdido e não tinha confiança em minhas decisões. Ao explorar o que era importante para mim, descobri que valorizo ​​a compaixão acima de tudo.

Quando escrevi a petição, pensei que estava fazendo um ato gentil por um amigo. Apesar do resultado imprevisto, eu apareci de um lugar de meus valores.

Hoje, lembro a mim mesmo que compaixão também significa autocompaixão. Quando estendo a mesma compaixão para mim mesmo como faço para os outros, sou capaz de me dar um tempo e começar a acalmar meu crítico interno.

Recomendamos:  Bicarbonato de sódio e as suas variadas utilidades

Se você valoriza a coragem e a perseverança, ir para a academia tem mais a ver com o seu progresso do que com o que os outros pensam de suas roupas fora de moda.

Se você valoriza a paz interior e seu prato já está cheio, dizer “não” não parece tão egoísta. Se você valoriza a autenticidade e compartilha sua opinião para uma multidão, pode ser quem você é com segurança e viver sua verdade.

Conhecer seus valores essenciais trará clareza ao seu caminho e permitirá que você mude seu foco.

2) Seja claro sobre o que é da sua conta – e o que não é

Aprendi uma lição de mudança de vida com Byron Katie, uma palestrante e autora que ensina sobre autoinquirição. Ela nos ensina que existem apenas três tipos de negócios no mundo: os da natureza, os de outras pessoas e os nossos.

O clima, os genes que você herda, quem nasce e quem morre são assunto da natureza. Embora você possa transmitir alguma influência, você não pode controlar totalmente nenhum deles, mesmo se tentar.

Mas quando se trata de negócios de outras pessoas, nossas mentes podem facilmente confundi-los com os nossos. O que seu vizinho intrometido pensa de você, na verdade é problema dele.

Quando sua colega chega tarde de novo, é problema dela. Quando o motorista do carro à sua frente não vai quando o semáforo fica verde, é problema deles.

Mas se você está preocupado com o que seu vizinho pensa, isso é problema seu. Se você ficar irritado porque seu colega de trabalho está atrasado novamente, ou você está zangado com o outro motorista, isso também é problema seu.

O que você pensa, o que sente e o que faz são as únicas coisas que pode controlar na vida.

Ao manter o foco em você mesma, você estará em uma posição para navegar melhor por seus sentimentos.

3) Lembre-se de que você é o único responsável por como se sente

Quando baseamos nossos sentimentos nas opiniões de outras pessoas, desistimos da posse de nossas emoções.

Estamos permitindo que outras pessoas sejam nossos fantoches, e quando eles puxam os cordelinhos da maneira certa, nós nos sentimos bem ou mal.

Se alguém o ignora, é provável que sua mente imediatamente atribua um significado a essa ação.

Para você, isso pode significar que não vale o tempo deles ou que não é simpático o suficiente, inteligente o suficiente ou legal o suficiente.

Você pode se sentir triste ou com raiva, mas na verdade está tendo uma reação emocional ao seu próprio pensamento – não à ação deles.

Para mudar como as ações de outras pessoas fazem você se sentir, você só precisa mudar seus pensamentos.

Como nossos pensamentos são geralmente automáticos ou subconscientes, pode ser necessário um pouco de pesquisa para descobrir quais pensamentos estão por trás de suas emoções.

Mas, uma vez que o fizer, desafie, questione ou aceite. Suas emoções virão.

4) Todos nós cometemos erros, e eles não definem quem somos

A autocompaixão é mais fácil quando você sabe que não está sozinho. Vivemos em uma cultura onde não costumamos falar sobre como nos sentimos, mas realmente todos nós experimentamos as mesmas emoções uma vez ou outra.

Quando nos punimos por nossos erros, isso não nos move para frente. A coisa mais produtiva que você pode fazer é aprender com eles. Depois de descobrir a lição que pode tirar da experiência, a ruminação não é mais necessária.

A lição que aprendi depois da reunião no trabalho foi ter mais consideração em como os outros podem receber meu senso de humor. Nem todo mundo me acha tão engraçado quanto meu marido. Posso tomar decisões melhores agora por causa disso.

Quando você se lembra de que os erros são apenas parte do aprendizado e da vida, o constrangimento se desvanece e o empoderamento toma seu lugar.

5) Aceite que você fez o melhor com o que tinha na época

No passado, não importa o que eu disse ou o que realizei, sempre pensei que poderia ter feito melhor. Eu defini padrões irrealisticamente altos para mim, e meu valentão interior inevitavelmente levantou a cabeça quando eu não conseguia alcançá-los.

Recomendamos:  Apenas 3% consegue encontrar o homem escondido nessa imagem

Minha mãe costumava dizer “Você fez o melhor que pôde com o que tinha na época”. Nunca gostei muito dessa frase, mas ela estava certa.

Isso ocorre porque tudo o que fazemos tem uma intenção positiva. Pode não ser óbvio, mas está lá.

Quando escrevi a petição no trabalho, queria ajudar um amigo. Achei minha ideia engraçada e presumi que funcionaria bem. Se eu soubesse o que sei agora, não o teria feito.

Quanto da sua vida você passou se chutando porque pensou que disse algo estúpido? Ou porque você apareceu tarde? Ou que você parecia estranho? Todas as vezes, você fez o melhor que pôde. Sempre.

6) Nem todo mundo vai gostar de você, e isso está perfeitamente bem

Frequentemente nos apegamos a crenças limitantes. Olhamos para tudo ao nosso redor para provar que são verdadeiros e atribuímos nosso valor a opiniões negativas.

Mas as opiniões dos outros realmente não têm nada a ver com você e tudo a ver com eles.

Se você ficou na frente de 20 estranhos e falou sobre qualquer assunto, alguns não vão gostar do que você tem a dizer e outros vão adorar.

Alguns se esquecerão de você assim que partirem, e outros podem se lembrar de você por anos. Você pode lembrar a alguém de sua cunhada chata e outra de sua filha amorosa. No entanto, cada pessoa tem exatamente o mesmo que você.

Ao manter o pensamento “Eu permito que você não goste de mim” à frente e no centro, você ficará mais relaxado e capacitado para ser você mesmo.

E a ironia é que há uma chance melhor de que as pessoas gostem de você quando você está sendo autêntico, em vez de tentar agradá-las.

Conclusão

Deixar de lado o constrangimento começa mudando seu foco e seus pensamentos. Perdoar a si mesmo significa ser gentil e seguir em frente com as lições aprendidas. No final do dia, você pode ser humano, com erros e tudo.

Publicidade

Via: Sandy Woznicki

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais vistos