InícioComportamento7 maneiras de fazer os relacionamentos inter-religiosos funcionarem

7 maneiras de fazer os relacionamentos inter-religiosos funcionarem

Publicidade

“As pessoas tentam minimizar as diferenças quando estão apaixonadas”, diz Joel Crohn, Ph.D., autor de Mixed Matches: How to Create Successful Interracial, Interethnic and Inter-Faith Relationships.

Mas, ignorar as diferenças pode ser prejudicial para um casal no futuro. Se você faz parte de um relacionamento inter-religioso, tem uma camada extra de diversidade para lidar.

Crohn, que se especializou em casais e terapia familiar, oferece sete ideias para compreender essas diferenças e ajudar os relacionamentos inter-religiosos a funcionar.

Continue a ler após a publicidade.

1) Enfrente os problemas

Novamente, o maior problema que os casais inter-religiosos enfrentam é negar que as diferenças realmente existam. Mesmo se você não for tão religioso, as diferenças podem surgir no futuro, diz Crohn.

Além disso, ao evitar o diálogo sobre diferenças, os casais podem fazer suposições imprecisas sobre as preferências religiosas de seus parceiros. (Curiosamente, “as pessoas tendem a se tornar mais religiosas com a idade”, diz Crohn.)

Por isso, ele exorta os casais a enfrentarem seus problemas de frente. A melhor hora para conversar? Agora, Crohn diz, normalmente é o melhor momento. Evitar não vai ajudar o conflito a ir embora.

2) Esclareça seu código cultural

“As pessoas têm dificuldade em separar religião e cultura”, diz Crohn. Mesmo que a religião não seja um fator em sua vida ou relacionamento (por exemplo, vocês dois são agnósticos), você ainda tem um código cultural diferente do de seu parceiro. E essas diferenças, diz ele, não desaparecem.

Recomendamos:  5 itens essenciais que você precisa antes de trazer seu bebê para casa

Ao pensar sobre sua cultura, considere: o que é normal em minha família? Quais são minhas expectativas para o relacionamento e uma futura família? Como expressamos nossas emoções? Em seguida, conversem sobre essas diferenças culturais como casal.

3) Esclareça sua identidade

Muitos casais inter-religiosos começarão a negociar qual religião desejam que seus filhos sejam, por exemplo, sem ter uma ideia clara de sua própria identidade. É comum que “membros de grupos minoritários na América… tenham um senso complicado de sua própria identidade”, diz Crohn.

Portanto, a autoexploração é a chave!

Crohn conta a história de uma mulher protestante italiana que se converteu ao judaísmo. Seu marido judeu voltou do trabalho surpreso ao vê-la lendo a Torá. Ele a acusou de ficar “empolgada”. Na realidade, este homem não tinha certeza do que ser judeu significava para ele.

Outros clientes disseram a Crohn que “ser judeu é importante para mim”. Mas quando ele lhes pergunta o que isso significa exatamente, eles respondem: “Simplesmente é”.

Continue a ler após a publicidade.

O problema? Indivíduos que têm uma noção vaga de sua identidade religiosa “podem forçar seus parceiros a serem algo que eles não podem ser.” Por exemplo, um parceiro não judeu não pode se tornar “culturalmente judeu”.

Para esclarecer sua identidade, Crohn sugere o seguinte exercício: pense sobre sua identidade religiosa e sua identidade cultural quando você tinha cinco anos, 12, 18 e hoje. Crohn sugere registrar suas respostas.

É normal que as pessoas experimentem grandes mudanças nesses momentos. Na verdade, ao longo de sua vida, tanto com a cultura quanto com a religião, “geralmente há grandes altos e baixos, experimentação e rebelião”, diz ele, “antes de estabelecer um senso de identidade estável”.

Recomendamos:  Os sensitivos evitam certas pessoas, entenda os motivos

Depois de pensar sobre sua identidade, ainda pode estar confuso. Crohn diz que está tudo bem. É “problemático quando você está negociando algo sobre o qual não tem certeza”.

4) Pratique “experimentação incondicional”

Também não é produtivo negociar “até que você se exponha às práticas religiosas de seu parceiro”, diz Crohn. Isso permite uma maior compreensão de seu parceiro.

Por exemplo, você pode frequentar a igreja ou sinagoga com seu parceiro. Isso não significa que você está fazendo promessas, como conversão. Mas mostra que você leva seu relacionamento a sério e está disposto a aprender mais sobre o que é importante para seu parceiro.

5) Compartilhe suas histórias uns com os outros

Em vez de forçar uma decisão (por exemplo, “teremos esse tipo de casamento” ou “nosso filho será criado como católico”), Crohn incentiva os casais a discutirem suas experiências religiosas e culturais.

Isso não apenas alivia a pressão, mas dá aos casais a oportunidade de se conhecerem melhor.

6) Considere um curso

Hoje, existem muitos cursos para relacionamentos, que podem ajudar os casais a resolver uma variedade de problemas. Crohn alerta os leitores para que sejam consumidores exigentes e procurem cursos baseados em habilidades, limitados no tempo e baratos.

7) Veja a terapia como preventiva

Os casais geralmente esperam até que seu relacionamento tenha sofrido significativamente para procurar aconselhamento. Crohn incentiva os leitores a consultar um terapeuta antes de chegar a este lugar.

Seja pró ativo. Ele sugere entrevistar o terapeuta para ter certeza de que ele se especializou em suas preocupações.

Se você gostou desse artigo, entre aqui e descubra mais informações e dicas interessantes. via: Pshychcentral

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais vistos