A comida de plástico é tão saborosa, mas você não sabe os motivos

Escrevemos muito sobre os perigos da comida de plástico, os perigos do consumo excessivo de doces e outros excessos gastronômicos que fazem mal não apenas à sua forma, mas também à sua saúde.

E fazemos isso por um motivo simples: as pessoas gostam de junk food, porque tem um gosto bom. E mesmo sabendo que esses produtos fazem mal ao nosso organismo, continuamos a comê-los dia após dia. Desta vez, contaremos o que torna esses alimentos deliciosos e, porque eles fazem mal à saúde.

1) Porque o ketchup tem um gosto tão bom

Você consegue se imaginar comendo um kebab sem um delicioso ketchup? Algumas pessoas gostam de adicioná-lo à massa, outras comem com batatas fritas e você pode ver a garrafa de ketchup em quase todas as mesas.

Mas por que é tão delicioso e o que o torna parte integrante da dieta de milhões de pessoas? Está tudo na nossa língua, que consegue captar as mais ligeiras notas de sabor, e sobre isto é tocado apenas por tecnólogos alimentares.

O fato de que com o sabor do produto podemos determinar suas características específicas, como se é perigoso ou seguro para o corpo. Por exemplo, a doçura indica um alto valor energético do produto, o sabor salgado significa a presença de eletrólitos (fontes de magnésio e cálcio), que são importantes para todas as células do nosso corpo.

A amargura pode indicar que você comeu algo venenoso ou impróprio para consumo, enquanto a acidez é característica das frutas cítricas, mas também pode indicar que a fruta começou a apodrecer.

Os cientistas perceberam que, ao dar certo sabor a determinado produto, é possível enganar o cérebro e “prender” uma pessoa na comida.

Outra invenção que torna os alimentos tão atraentes e perfeitos é o glutamato de sódio. Foi descoberto pelo químico japonês Ikeda Kikunae. O glutamato está listado como E621 no produto, então agora há um mistério a menos. Você saberá o que está comendo. Os altos níveis de glutamato no leite materno ajudam a moldar o desejo do bebê de comer para crescer e ficar forte. E sim, o E621 é encontrado em grandes quantidades no ketchup, o que nos faz amar tanto esse molho.

2) Como a comida que comemos afeta as bactérias nos órgãos digestivos

Nossos intestinos contêm um exército de bactérias amigáveis ​​que nos ajudam a digerir os alimentos e prevenir a propagação de doenças e infecções. Mas os cientistas aprenderam recentemente como classificar os microrganismos em nosso intestino, portanto, determinar como os alimentos que comemos afetam nosso trato digestivo tem sido um desafio.

Recomendamos:  8 regras sobre roupa íntima que vão melhorar sua saúde vaginal

Então, o que explica o efeito da comida que comemos em nosso intestino? A evolução criou algum tipo de padrão de alimentação saudável.

Na época em que as pessoas viviam da caça e da coleta, nossa dieta era formada para incluir uma abundância de fibras, vários alimentos vegetais e ácidos graxos. Temos que seguir uma dieta balanceada para saturar nosso corpo com nutrientes.

Além de nossa dieta normal, precisamos comer alimentos verdes, cogumelos, frutas vermelhas, nozes – eles são necessários para o funcionamento normal do sistema digestivo.

Existem estudos que compararam a microflora intestinal de pessoas saudáveis ​​e aquelas que estavam acima do peso. Os cientistas descobriram que o intestino de uma pessoa saudável contém os microrganismos, cujas enzimas ajudam a digerir perfeitamente os alimentos, enquanto em pessoas com excesso de peso esses mesmos microrganismos funcionam muito pior.

Mas o que causa isso?

Como regra geral, fast food é um segmento de comida barata (consequentemente, também de qualidade não muito alta).

Carne barata é bombeada com antibióticos, o óleo em que é frito não é trocado com a frequência que você imagina, além disso, esses alimentos fazem uso intenso de aditivos artificiais.

Eles melhoram o sabor de todas as maneiras possíveis, mas afetam negativamente nossas bactérias digestivas, não preparadas pela evolução para tal diversidade química.

Por esse motivo, as pessoas obesas têm uma microflora pobre, que posteriormente passa a lidar apenas com um determinado conjunto de alimentos que podem ser digeridos.

Recomendamos:  Isto é o que você deve fazer caso tenha saudades do seu ex

3) Por que comida frita é tão ruim

Esse pedaço de carne deliciosamente gorduroso é tão tentador! Seu sabor merece ser imortalizado em poemas, e sua estrutura é tal que a carne parece derreter na boca. E tudo ficaria bem, senão por uma coisa: esse produto pode ser muito prejudicial à saúde.

Não, claro, às vezes você pode pagar um suculento pedaço de carne frita, mas lembre-se que com alimentos gordurosos é melhor não flertar.

O consumo frequente desses alimentos aumenta os níveis de colesterol no sangue e aumenta o risco de ataque cardíaco, derrame e diabetes.

Lembre-se que até um pedaço de carne frita pode ser útil, mas apenas em quantidades normais, e os excessos ainda não fizeram ninguém ficar bom.

Mas essas são apenas as consequências – o que a ciência pode nos dizer sobre exatamente como os alimentos não saudáveis ​​e ricos em gordura podem prejudicar o corpo?

Acontece que muito também depende da temperatura em que o alimento é cozido, pois as gorduras, dependendo do grau de fritura, podem apresentar propriedades diferentes.

A gordura dá aos alimentos uma certa textura, sabor e aroma, mas também pode transformar um pedaço de carne comum em uma bomba, que contém muitas toxinas.

As gorduras poli-insaturadas extraídas dos óleos de girassol, milho ou soja e em todos os óleos vegetais são suscetíveis à degradação ou oxidação quando aquecidas e liberam compostos tóxicos que os cientistas acreditam levar ao câncer.

A mesma reivindicação se aplica à acrilamida, um composto químico que é formado quando alimentos como pão ou batata são tratados termicamente em altas temperaturas.

Como aprendemos isso? Tudo graças aos cientistas e aos ratos sofredores, que mais uma vez foram atingidos e serviram para o bem da humanidade. Os cientistas alimentaram os animais com batatas e pão assados ​​cuidadosamente todos os dias, e em 60% dos ratos essa dieta causou tumores cancerígenos.

Recomendamos:  Acabe com as varizes, celulite e dores musculares com este remédio caseiro de alecrim

É claro que esses estudos não foram feitos em humanos, mas isso não significa que você não deva se preocupar com sua saúde e começar a comer dessa forma.

As gorduras poli-insaturadas também podem ser prejudiciais em sua forma bruta, porque contêm ômega-6, um excesso do qual leva a doenças crônicas.

Mas, como tudo, essas gorduras em quantidades limitadas são necessárias para o corpo e você pode obtê-las de nozes, peixes e vários cereais.

Se você precisa cozinhar bem a carne, use gorduras animais. Sua estrutura é mais estável em temperaturas mais altas e eles adicionam um sabor picante a qualquer carne, portanto, use essas gorduras para todos os alimentos que precisam ser fritos.

4) Como tratar bactérias em alimentos

Não estamos falando de bactérias naturais, mas de bactérias adquiridas. À primeira vista, pode parecer que as bactérias adicionadas ao produto original podem estragar tudo, mas está longe de ser o caso.

Existem microrganismos que podem enriquecer o produto com propriedades úteis ou dar-lhe novas qualidades.

Vejamos isso com o exemplo dos laticínios fermentados, que são muito importantes em nossa dieta. Kefir, iogurte, creme de leite – todos esses produtos passam por uma fermentação primária: as bactérias transformam os carboidratos em ácidos, que são conservantes naturais e podem preservar as propriedades úteis do produto por mais tempo.

Se falamos sobre fermento, eles ajudam a transformar carboidratos em álcoois, que é como obtemos cerveja e outras bebidas alcoólicas.

Às vezes, para se obter um novo produto, é necessário adicionar um micronutriente ao produto original, que o transforma e lhe confere novas qualidades.

Via: megaharbor

Sugerido para si:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *