Pessoas que não gostam de animais não gostam de ninguém

Aparentemente esta é uma afirmação dura, talvez até chocante, mas um animal é um ser vivo, que embora qualificado como irracional pela ciência, pessoas que convivem com eles afirmam que suas reações são adequadas para cada situação.

Continuar a ler Pessoas que não gostam de animais não gostam de ninguém

Se você tem medo de perder a pessoa amada, esse texto é para si

Não é difícil entender o medo de ficar sozinho: o apartamento vazio depois do trabalho, a estranheza das tardes de domingo, o sentimento de exclusão durante as férias… Conhecemos as agonias de estarmos sozinhos.

O que é bem menos compreendido e menos eloquente ou frequentemente descrito, é o preço enormemente alto exigido do outro lado da equação.

Continuar a ler Se você tem medo de perder a pessoa amada, esse texto é para si

Ele trabalhava num frigorífico e ficou preso lá dentro

“Amai ao próximo como a ti mesmo”.

Penso que a maioria das pessoas no mundo conhece esta frase, mas você sabe realmente o que isso quer dizer? Você sabe como praticar o amor ao próximo?

Continuar a ler Ele trabalhava num frigorífico e ficou preso lá dentro

Uma mãe solteira não é feio, feio é o pai só aparecer quando convém

Somos extremamente críticos como sociedade: mais preocupados com o que acontece na vida dos outros do que com a nossa. Como resultado, as conversas à mesa do jantar oscilam entre política e fofoca.

Continuar a ler Uma mãe solteira não é feio, feio é o pai só aparecer quando convém

Aprender é crescer, é ir além, é ultrapassar barreiras

Você já se sentiu inquieta por dentro? Com um sentimento de que não está fazendo o bastante, e fica procurando onde está o problema, o erro – o que devo fazer? O que posso fazer? Como vou fazer?

Parece que a vida está sem sentido. Parece que falta qualquer coisa, uma peça, sei lá! É como se algo não se encaixasse. Como se estivesse no lugar errado, fazendo as coisas erradas, com as pessoas erradas.

Mas como assim?! Será que estou enganada? Muitas vezes vem a dúvida se estou mesmo vendo as coisas como elas são. Como se estivesse fora da realidade. Na verdade, penso que isso é o terrível medo de errar.

O medo nos paralisa! O medo do desconhecido, o medo de não conseguir, que muitas vezes nos deixa paranoicos, nos fazendo tomar todas as decisões, menos aquelas que são benéficas para nós.

Mas errar é normal, né? É errando que se aprende.

Se você não fizer, nunca vai errar, mas se você quer fazer algo por você terá de encarar o erro como degraus a serem escalados.

Mas como não ter medo de que algo dê errado? E o que faço com a minha insegurança? E o que os outros vão pensar e dizer? E se pensarem que eu sou uma má pessoa?

Mas o que importa o que as pessoas pensam? E daí? Quando falamos assim em relação à opinião dos outros sobre nós, será que estamos sendo honestos conosco?

Será que realmente não estamos nem aí? Então, porque será que ficamos paralisados de medo quando temos de tomar uma decisão e isso nos faz pensar no que os outros diriam? Ficamos preocupados com a nossa reputação.

E, nessa altura vem o medo de errar, porque se der errado todos vão comentar, todos vão apontar o dedo e quando fazem isso conosco, temos a forte tendência a nos sentirmos acuados, tristes, com um sentimento de culpa, de que não somos suficientes.

Muitas vezes manifestamos isso em forma de violência, agressividade, negação ou então ficamos depressivos.

E assim vai minando a nossa autoestima e vamos nos colocando cada vez mais embaixo quando tentamos nos encaixar num padrão para agradar à opinião dos outros, para sermos aplaudidos, apreciados e não hostilizados.

Ninguém quer ser hostilizado, ninguém quer que metam o dedo em suas feridas.

Portanto, o erro deve ser acolhido com amor, ou seja, devemos olhar para ele com muito carinho e tentar tirar o máximo de aprendizado dessa situação, mas como fazer isso sem ter o apoio das pessoas que nos cercam?

Na verdade, se tivermos consciência de que devemos encarar os nossos erros como impulsos para melhorarmos, não vamos ter necessidade de aprovação e tão pouco vamos nos  importar com o que vão pensar de nós.

Mas, porque tenho medo? Onde está a origem desse medo?

Para responder a isso cabe muita investigação. Você terá de olhar para dentro de si. Terá de parar de olhar para o mundo cá fora e olhar no fundo, de você mesma, pois só aí é que temos a possibilidade de encontrar a resposta.

Mas como faço para olhar para dentro de mim? Como assim?

Escute o seu corpo, sinta a sua respiração, preste atenção a ela. Analise os seus sentimentos, as suas ações e as suas reações. Esteja atenta sobretudo aos seus pensamentos. Que tipo de pensamentos você costuma ter? Que pensamentos você alimenta?

Investigue todas as suas memórias, procure saber o porque você se sente desta ou daquela forma.

Se não fizermos isso, vamos continuar dependendo da aprovação dos outros. Vamos continuar sentindo medo, travando a nossa felicidade, a nossa criatividade e o verdadeiro sentido da vida.

Quem gostaria de chegar aos 70 anos e ter um sentimento de vazio dentro de si? Aquele sentimento de que falta alguma coisa. De que viveu uma vida inteira e não se sente satisfeita. Como se não tivesse feito tudo aquilo que gostaria de ter feito. Enfim, falta alguma coisa.

O medo nos paralisa de tal maneira a ponto de passarmos uma vida inteira sem olhar para o que de bom ela tem. O medo nos torna pessoas amargas, agressivas, tristes, frustradas.

Entretanto, a viagem para dentro de si mesma em busca das respostas às suas perguntas, é longa. Requer sobre tudo paciência e perseverança, mas vale a pena trilhar esse caminho, pois cada dia se torna uma nova oportunidade de aprender.

E aprender é bom demais! Aprender é crescer, é ir além, é ultrapassar barreiras. Penso que o saber, não no sentido de conhecimento, mas de sabedoria é o que nos dá satisfação na vida, no entanto, para sermos sábios temos de investigar as nossas sombras, e assim voltamos ao mesmo.

Não fuja do autoconhecimento, pois ele te dará todas as respostas que você precisa.

Entre aqui e veja outras reflexões do site sinais de luta.

Já sentiu raiva de si mesmo por ter um coração bom com quem não merece?

Quando está desapontado com algo ou alguém, como você reage? Você fica com raiva ou deprimido? Fica de mau-humor? Ou você se fecha em si mesmo, desanimado e derrotado, para lamber suas feridas e ficar com pena de si mesmo?

A decepção é inevitável; é como você lida com isso que define o resto da sua vida!

Todo mundo tem pelo menos um parente que faz cara feia, amigo ou vizinho com a alma amargurada e que nunca tem nada de bom a dizer sobre ninguém. Essas pessoas se movem pela vida com expressões confusas e olhos malévolos, sem um sorriso nos lábios…

Você pensa que elas são mais infelizes do que os outros, por isso as perdoa sempre? Algo pode tê-las machucado tanto que sua visão de mundo se tornou amarga, mas isso realmente deve importar para você no dia a dia?

Temos a força interior para lidar com tudo o que a vida proporciona a nós. Não é a quantidade de pesar ou decepção que surge em nosso caminho que é determinante, mas sim a maneira de lidar com isso é que molda o caráter de uma pessoa.

Aqueles que podem aceitar o bem e o mal, o sucesso e o fracasso, a vitória e a decepção com a mesma tranquilidade são aqueles que passam no teste da vida. É a sua resposta aos contratempos que define como será o resto da sua jornada.

As decepções são inevitáveis ​​para todos. As expectativas nem sempre podem ser atendidas de forma satisfatória, nem todos os sonhos podem ser realizados. As pessoas nem sempre agirão como desejamos, nem os relacionamentos prosseguirão da maneira que planejamos.

Os pais nem sempre aprovarão o que você quer fazer; os amores nem sempre distribuirão apoio e elogios; as crianças nem sempre visarão agradar. Quando as coisas não acontecem do nosso jeito, o desencanto é natural.

Se permitirmos, a decepção pode levar à tristeza, desilusão, desânimo ou raiva. Frequentemente, tendemos a descarregar isso nas pessoas mais próximas de nós, o que, é claro, leva a mais problemas. 

O primeiro passo para lidar com as decepções com a maturidade é definir expectativas realistas. Mesmo ao fazer isso, mantenha espaço para decepções. Não faça nada esperando viver uma decepção, é claro, mas mantenha o plano B pronto.

Se seus planos ou expectativas forem frustrados, reserve um tempo para sofrer; não há nada de errado em se sentir desapontado ou desiludido. Apenas saiba que você tem de sair dessa e com o tempo você vai superar, seja lá o que for.

Isso também lhe dá a oportunidade de avaliar a situação e sua posição. Ter uma perspectiva é importante. Qual será o impacto dessa decepção em sua vida? Você consegue ver um rastro de esperança e tentar focar nisso?

Após aceitar a situação, é mais fácil mudar, ter uma visão objetiva e planejar ações futuras. Talvez você possa ter outra oportunidade; avalie se você gostaria de aproveitá-la ou deixá-la passar para buscar outra coisa mais recompensadora.

Ou talvez todas as portas à sua frente estejam firmemente fechadas e você precise mudar de rumo completamente… Isso também é bom! A vida oferece tantas opções… E lhe dá várias oportunidades para corrigir seus erros ou decepções. Aproveite essa chance!

“Tenha esperança, não expectativa. Assim, pode acontecer um milagre e não uma decepção.” (Frase da série Dark, disponível na Netflix)

Entre aqui e veja outras reflexões do site sinais de luta.

A primeira pessoa a se beneficiar com o perdão é aquela que perdoa, perdoe e viva mais

Todos estamos sujeitos a causar e sofrer danos, seja de ordem emocional, física ou financeira. Quem nunca perdeu o controle diante de uma discussão e teve uma atitude impensada!? 

Um dos grandes motivos de sermos ofendidos, é que colocamos altas expectativas. Quanto maior a expectativa, maior a decepção.

Cuidado com as expectativas depositadas em pessoas, são humanos, limitados e falhos, esteja preparado para perdoar.

Após um trauma, uma decepção, uma injustiça, é necessário realizar uma higiene mental, avaliar as circunstâncias, e liberar-se da culpa, da raiva, do ressentimento e talvez até do desejo de vingança, para que sua vida não fique girando em torno daquele que o feriu. Em primazia o perdão é importante para o próprio bem da pessoa ferida.

Dr. Augusto Cury, psiquiatra, escritor e criador da Academia de Gestão da Emoção, afirma: “A primeira pessoa a se beneficiar com o perdão é aquela que perdoa e não aquele que é perdoado.” 

A mágoa e o ressentimento é uma carga pesada demais para carregar, tanto que adoece até os ossos.

Quanto mais intimidade tivermos com o que ocasionou a ofensa, maior a dor. Geralmente pessoas estranhas, ou de pouco convívio, não tem o poder de nos magoar profundamente.

Àqueles que alta confiança é depositada, fazem maiores estragos em nossas almas. Mas isso não quer dizer que você não pode depositar confiança em alguém, ou deixar que se aproximem de você, isso quer dizer que precisa estar pronto para perdoar, caso algo ruim aconteça, pois, nos relacionamentos interpessoais, é inevitável que em um momento ou outro sejamos ofendidos, ou ofendamos o outro.

A ofensa pode ter sido gerada de maneira intencional ou não. Às vezes nos ofendemos com alguém, que não teve a menor intenção de provocar tal ofensa, e aquele se torna um desafeto sem mesmo saber.

Não é possível mudar o ocorrido, mas o que vou fazer a respeito, de que maneira vou aceitar aquela ofensa, esses posicionamentos serão determinantes para o futuro.

Há quem diga: “perdoar é abrir mão das dores do passado e se abrir para uma nova história”. A frase é bonita, mas só quem já passou por uma ofensa sabe o quão desafiador é romper com a dor e a vergonha que insiste em nos acompanhar.

Perdoar não tem a ver com sentimento, é uma decisão.

Não é possível ter desejo de perdoar alguém que nos ofendeu, deve ser uma decisão consciente e intencional, nos permitindo passar pelo processo de liberação do outro, pois se nos recusarmos a isso, o dano maior será em nós mesmos.

Os sentimentos negativos gerados pela ofensa, são extremamente nocivos, tanto que em muitos casos, doenças são desencadeadas no corpo como; problemas cardíacos, elevação de pressão arterial, e até alguns casos de câncer, que os médicos afirmam ter sua origem em sentimentos de amargura, além de distúrbios emocionais e psicológicos. 

A ofensa é externa, mas seu dano é interno. Muitas pessoas sofrem de insônia, stress e depressão por carregarem algo que não deveriam, bagagem desnecessária e extremamente pesada, e nos cansa na trajetória da vida.

Judith Dipp, psicóloga, declara: “Quem decide perdoar não quer mais se vingar, não remói o problema, não desacredita no outro pelo erro cometido”.

Quando não perdoamos, nos estagnamos, ficamos presos àquela memória. O perdão é uma oportunidade de se libertar das amarras para seguir adiante. 

Perdoar é possível, esquecer não.

Não devemos nos iludir, o perdão não é uma amnésia, ou uma regressão no tempo para mudarmos aquela situação ocorrida, mas a medida que vamos nos liberando dos sentimentos ruins com relação ao ocorrido, a dor vai sendo amenizada, até tornar-se apenas uma experiência, daqueles que nos induzem à maturidade, à compaixão, e à humildade. 

Perdoar nos devolverá a paz de espírito, a confiança, a alegria, mesmo quando lembrar do ocorrido nossos sentimentos não serão abalados, nosso bem-estar depende de liberarmos perdão à quem nos causou dano. 

Em seu Livro “Prisioneiro da mente”, Augusto Cury conta a história de Theo Fester, um magnata, muito conhecido no mundo dos negócios, que decidiu não se deixar prender pelas humilhações vividas na infância, usou sua dor para se construir e não se autodestruir, e ainda empregou aqueles que o feriram no passado.

Sua história de superação a uma vida de humilhações e privações pode ser uma inspiração para nós.

Pesquisas mostram que as pessoas que perdoam desfrutam de bem-estar, equilíbrio emocional, felicidade, melhor saúde física, seus relacionamentos são duradouros.

A lei da semeadura também é válida quando falamos de perdão. Quem de nós, nunca errou? Todos nós em algum momento da vida já fomos beneficiados ao receber perdão de outrem, então devemos também liberar àqueles que nos ofendem.

A oração do “Pai nosso” comum em muitas crenças, fala: “Perdoa as nossas ofensas, assim como perdoamos os nossos ofensores”. Sendo assim, para que obtenhamos o perdão, devemos também dar a quem nos ofendeu.

Nossa reação diante das situações vividas é que determinarão o nosso futuro.  Silas Zdrojewski, mestre em teologia, diz: “A nossa vida acontece a partir das nossas decisões.”. Portanto, decida perdoar para estar liberado para novas conquistas.

Quando você se conhece o suficiente, tudo muda, os dias ficam mais leves

Bem… sabe aquele dia em que você acorda e parece que antes mesmo de sair da cama já sente que o dia vai ser daqueles? 

Você quer afastar da sua mente certos pensamentos, mas não dá, eles acabam sempre por voltar e aquilo vai te irritando aos poucos.

Parar, ficar só, respirar, meditar, caminhar, pode resultar muito bem.

E se você não tem como fazer nenhuma destas coisas ou simplesmente não consegue se concentrar para fazer se quer um exercício de respiração?

Dá uma vontade de gritar com as pessoas. Situações que geralmente você consegue exercer um nível bom de paciência, nestes dias, são extremamente irritantes.

Falta paciência até mesmo para lidar com a nossa própria pessoa, quanto mais para lidar com os outros.

Porém, é exatamente nestas situações que devemos cultivar o amor ao próximo. Esses desafios  nos são colocados à frente para que possamos exercitar nossa capacidade de auto avaliação, pois o que nos irrita não está no outro e sim em nós.

Naquele dia você já sabe que o astral não está lá grande coisa, por isso, o problema está em você e não no outro.

Na verdade, é você que se irrita e não o que o outro faz, no entanto, manter esse nível de maturidade e poder sobre as suas emoções e pensamentos não é nada fácil, mas também não é difícil. Basta que você treine e que esteja empenhado ou empenhada em fazê-lo.

Pois, aquilo que o outro faz é problema dele e não seu, mas as suas ações são de sua inteira responsabilidade.

Não devemos nos esquecer de que as leis universais são justas e ninguém sai sem pagar a conta. Por isso, tudo aquilo que fazemos contra qualquer outro ser vivo, seja bom ou ruim, reverte-se em alegria ou sofrimento em nossa vida.

Aqui se faz, aqui se paga.

Conviver, meus amigos, é uma arte que deve ser treinada diariamente, e haja paciência.

Mas, no fim das contas, quando você olha para trás e sente que não se deixou levar pelas suas emoções e que ao invés de mandar alguém para aquele lugar, você respirou 10 vezes e falou educadamente e com carinho… Ah! O nosso coração se enche de… não sei bem como explicar esta sensação, mas penso que esse sentimento tem vários nomes, é satisfação, alegria, paz interior, sensação de dever cumprido, etc.

E são esses sentimentos que nos traz muitos outros benefícios, tais como: confiança, amor-próprio, felicidade, certezas de que estamos no caminho certo.

No fundo, você fez o que era melhor para você e em consequência melhor para o outro também, que não sentiu toda aquela ira, que estava dentro de você e que seria capaz de pulverizar tudo à sua frente como uma bomba atômica, se isso fosse possível, mas ainda bem que não é.

Penso que essa é a grande definição de, “amai ao próximo como a ti mesmo”, pois a partir do momento que você decide fazer o melhor por você, consciente de que tudo de ruim ou bom que fizer retornará a si mesmo, estará fazendo o melhor também ao outro.

Por isso, o melhor para você, aquilo que te traz felicidade verdadeira, que te acalma a alma e o coração, é também o melhor para o outro, não tenha dúvidas.

Eu sei que tudo isso parece complicado em um mundo onde cada um é por si, mas é mesmo assim, temos de ser por nós primeiramente e só então podemos ser melhor para o outro.

Mas sermos melhores para nós inclui passarmos por um processo de auto conhecimento profundo e diário. Se eu não me conheço, como vou saber o que é melhor para mim? Como vou poder então fazer o melhor para o outro, já que uma coisa leva à outra?

Meus amigos, a fonte de tudo, absolutamente tudo, está em nós, na nossa mente; essa arma poderosíssima que temos à nossa disposição e que nos foi concedida amorosa e imerecidamente pelo criador.

Entretanto, se não conhecermos bem essa arma, ela própria nos destruirá e destruirá também, por consequência, tudo à nossa volta, pois ela tem o poder de criar e de destruir.

Por isso, vamos ser criadores e não destruidores. Vamos ser criadores de sorrisos, de relações bem estabelecidas com base na confiança e no amor, na aceitação do outro, na compaixão e empatia pelo sofrimento alheio, caso contrário, estamos fadados ao fracasso.

Viveremos uma vida sem sentido, sem vida, na verdade. Pois, vida de verdade é com sinceridade, com amor, com lealdade, com caráter, sem máscaras, sem mentiras, sem enganações, sem esquemas para se auto-beneficiar.

Essas coisas só nos traz infelicidade e ruína, e quem diz isso não sou eu, quem disse foi o maior de todos os mestres, Jesus. Ele disse isso a mais de 2 mil anos atrás e até hoje não aprendemos. Eita! Lição difícil de aprender! 

Mais uma vez repito, se não conhecermos a fonte do nosso poder, a nossa mente, que vem do criador, jamais conseguiremos entender e aprender a valiosíssima lição de Jesus Cristo.

Fica a dica!

Entre aqui e veja outras reflexões do site sinais de luta.

O truque dessa professora mudou a vida de alunos e pode mudar a sua

Uma professora do 5.º ano decidiu fazer um jogo com a turma.

Ela disse a cada criança da classe que levasse para a sala de aula um saco plástico com alguns tomates. 

Cada tomate receberia o nome de uma pessoa que a criança odiava.

Portanto, a quantidade de tomates que cada criança colocaria em seu saco plástico iria depender da quantidade de pessoas com que ela não gostava de conviver.

Então, quando chegou o dia marcado, todas as crianças levaram alguns tomates para a classe, etiquetados com os nomes das pessoas que odiavam. 

Alguns alunos tinham 2 tomates em sua sacola.

Outros tinham 3, e alguns tinham até 5 tomates. 

A professora, então, disse às crianças para carregar com elas os tomates no saco plástico para onde quer que fossem (até mesmo para o banheiro!) por 1 semana.

Os dias se passaram lentamente… 

E as crianças começaram a reclamar do cheiro desagradável que os tomates podres espalhavam pelo ar.

Além disso, quem tinha 5 tomates também carregava uma sacola mais pesada, o que a tornava difícil de carregar. 

Após 1 semana, as crianças ficaram aliviadas, porque a tarefa finalmente acabou…

A professora perguntou: 

“Como vocês se sentiram ao carregar os tomates, o tempo todo, por 1 semana?”. 

As crianças deixaram transparecer suas frustrações. 

Elas começaram a reclamar dos problemas que tiveram de enfrentar para carregar os tomates pesados ​​e malcheirosos para onde quer que fossem.

Em seguida, a professora contou-lhes o significado oculto por trás do truque. 

Isso é exatamente o que acontece quando você carrega o seu ódio por alguém dentro do seu coração.

O mau cheiro do ódio contamina seu coração e você carrega para onde quer que vá.

Se você não consegue tolerar o cheiro de tomates podres por apenas 1 semana…

Pode imaginar como é sentir o mau cheiro do ódio no seu coração pelo resto da vida?

Jogue fora de seu coração qualquer ódio que nutra por alguém, para que você não carregue esse fardo o tempo todo. 

Perdoar os outros é a melhor atitude a tomar!

Entre aqui e veja mais matérias do site sinais de luta.

Quando se olha para uma mulher deve fazê-lo de forma agradável e educada

A educação abre portas, e ao contrário também é verdadeiro, a falta dela impede de chegar onde se desejava, contudo, quem nunca ouviu falar: “A educação vem do berço”.

Ser educado com uma pessoa, não é nada “criado” instantaneamente, mas, aprendido gradativamente, e usar de simpatia, humildade e respeito ao próximo são atitudes educadas e necessárias em todas as esferas da vida.

Não é nenhuma novidade dizer que as mulheres são lindas, cada uma tem seu charme e encanto. Diante disso os olhares são direcionados para elas, o que por um lado é uma lisonja, por outro pode ser invasivo, tudo depende de como, e com qual intenção se olha.

Ser admirada e reconhecida é um desejo inerente do indivíduo, mas é totalmente desagradável quando expressado de maneira vulgar e agressiva.

Cuidado com o conceito do “macho alfa”. Atacar pode ser profundamente deselegante e ofensivo, prefira um olhar mais gentil, de aceitação e empatia.

As diferenças físicas, biológicas e emocionais entre homens e mulheres as tornam únicas e necessitadas de respeito, carinho, admiração, companheirismo, amor, apoio, etc.

Especialistas afirmam que as áreas do cérebro responsáveis pela ativação dos instintos são maiores e mais sensíveis no cérebro das mulheres. Em suma a mulher é considerada um ser sentimental, enquanto o homem é considerado um ser racional.

Louann Brizendine, afirma que esse fato pode ter a ver com a quantidade de células disponíveis no cérebro feminino que atuam para capturar sensações corporais.

As mulheres têm instintos que muitas vezes chega assustar o homem, mas não se assuste, isso ocorre devido à alta sensibilidade do cérebro feminino, sua percepção é aguçada, possibilitando identificar expressão facial, tom de voz, e interpretar conversas não ditas claramente.

Seria esse o tão polêmico “sexto sentido” feminino?

Encare esses instintos como um dom e não como uma ameaça, afinal, tendo uma irmã, amiga, mãe, namorada ou esposa por perto, você pode se beneficiar de sua sensibilidade, pedindo sua opinião e quem sabe, até uma orientação.

Salvo em raras exceções, é de senso comum afirmar que as mulheres são mais emotivas que os homens, sendo assim, tudo que acontece ao redor, seja positivo ou negativo, é refletido em seu interior, fato esse, que se torna necessário avaliar as ações, pensando que o dano ou benefício não ficará apenas no âmbito físico, mas também emocional.

Mesmo com tantas habilidades, isso não quer dizer que uma mulher é infalível, ela também carrega seus medos e inseguranças.

A aproximação deve ser lenta e educada, nunca agindo como um lobo devorador. Seja qual for a sua intenção, deixe que a mulher dê sinais de que pode continuar se aproximando ou se já é o momento de parar.

A sociedade contemporânea deve estimular mudanças de comportamento e de mentalidade, visando promover a cultura e a educação do respeito para com mulher.

As denúncias de abusos contra a mulher aumentam assustadoramente em todo o mundo, sejam de ordem sexual, físico, psicológico, patrimonial, tecnológico ou até financeiro.

Um novo olhar deve ser dedicado às mulheres, não são, e não podem ser vistas como objeto, que se usa e descarta.

Ela é um ser dotado de habilidades, personalidade, e necessidades, que quando supridas as fortalecem para o cumprimento de suas ações, sejam de mãe, profissional ou esposa.

Entre aqui e veja outras reflexões do site sinais de luta.

O ser humano adora fazer o bem, essa é a nossa essência

A bondade faz parte da nossa natureza e só quando entendermos isso plenamente é que vamos conseguir ter paz interior. Só fazendo o bem, de coração puro é que somos verdadeiramente felizes. Esse é o propósito de Deus em nossas vidas.

“Buscai primeiro o Reino de Deus, e tudo o mais vos será acrescentado”. O que isso quer mesmo dizer? Penso que isso quer dizer que devo procurar moldar o meu caráter, conforme o de Jesus, antes de qualquer outro objetivo em minha vida.

Deus e Sua Lei tem de ser o nosso propósito de vida, e tudo o mais, bens materiais, fama, roupas, comida, casas, tudo, mas tudo o resto mesmo, nos será acrescentado. Porque é para isso que Deus trabalha o tempo todo, para o nosso bem.

Vamos rever as nossas atitudes, os nossos pensamentos em relação ao próximo.

Jesus disse que, tudo o que pedirmos nos será dado. Então, vamos pedir paciência com o nosso irmão, vamos pedir a Deus que retire dos nossos corações a inveja que é a raiz de muitos outros pecados. Vamos pedir a Deus para moldar o nosso caráter conforme o de Jesus Cristo nosso Salvador.

Não peça a Deus, bens materiais ou coisas que tragam benefício próprio. Peça a Ele coragem para continuar na sua caminhada e coloque-O em primeiro lugar nos seus planos. Qualquer que seja o seu plano, o seu objetivo, peça a Deus orientação, e acredite, ele te dará todas as respostas que você precisar, e na hora certa!

Peça a Deus, inteligência e sabedoria para entender e controlar as suas emoções e pensamentos. Ao pedir estas coisas para Deus, tenha como principal objetivo ser uma pessoa melhor, melhor para você e melhor para o seu irmão.

Aí sim! Tudo será mais fácil de encarar. A vida torna-se mais leve e branda, as coisas parecem passar mais devagar. Com Jesus, tudo fica mais fácil de superar. Não quer dizer que sua vida vá se tornar um mar de rosas e que não vai mais ter problemas.

Vamos todos continuar a ter problemas, trabalho e dificuldades em nossas vidas. Portanto, viva! Viva a sua vida com sua família, esposa, marido, filhos, beba seu vinho, sua cerveja…, mas não caia na perversidade, na ganância pelo dinheiro, na mentira, no excesso de vaidade e não deixe seu coração apodrecer.

A verdade é a justiça de Deus. Procure ser verdadeiro em tudo. Seja verdadeiro com você mesmo. Assuma-se para você mesmo antes de qualquer coisa. Assuma quem você é de verdade, as suas falhas, as suas mentiras, a sua podridão.

Admita e coloque tudo aos pés de Jesus! Ajoelhe-se diante dele e diga: “Senhor, eis me aqui, este sou eu, um ser humano cheio de defeitos, de pecados, Senhor. Aqui está, tudo o que sou, toda a sujeira que há em mim. Cura-me Senhor, faz do meu coração um coração semelhante ao Teu”.

Entregue sua vida nas mãos de Deus. Tenha dentro do seu coração a certeza e o sentimento de que é isso mesmo que você quer. Plante essa verdade em seu coração. Jesus só entra onde Ele é bem-vindo, e conhece bem o nosso coração, cada célula do nosso corpo, portanto, não adianta mentir. Seja verdadeiro, é isso que Deus quer de nós.

Só quando assumimos a verdade sobre nós, quando nos tornamos conscientes da verdade sobre nós é que conseguimos, junto com o Espírito Santo de Deus, pois é ele quem nos transforma, enxergar os nossos defeitos e pecados. Desde que tomamos consciência deles, nos tornamos também capazes de mudar, de corrigir o nosso caráter.

Andar com Jesus é bom demais!

Abençoados sejam!

Texto: Juliana Rosi

Como você lida com alguém que não te respeita?

Lidar com pessoas desrespeitosas é algo comum em nosso dia a dia, mas não deveria ser. Quando alguém nos desrespeita, na maioria das vezes é porque a pessoa se sente ameaçada e não consegue lidar com suas emoções e tão pouco conhece a si mesmo.

Esse desrespeito, em sua grande parte revela-se através da agressividade, seja ela verbal ou física. Para te ajudar a lidar com esse tipo de situação, vamos abordar alguns exemplos de desrespeito mais comuns e qual a maneira correta de lidar com eles.

Suponhamos que um jovem dos seus 22 anos é contratado recente de uma empresa.

Um funcionário mais velho e com mais anos de casa, provavelmente irá sentir-se ameaçado por alguém mais novo estar no mesmo lugar ou cargo que ele demorou tanto tempo para conquistar.

Nesta situação, o esforço do mais velho para rebaixar o jovem, ou como dizem “colocá-lo no seu lugar”, é um ato de desrespeito. Para se defender deste tipo de situação o jovem pode mostrar respeito pelo nível de experiência que o outro tem em relação a ele, pedindo orientação sempre que necessário e agradecer pela ajuda. Pode talvez demorar um pouco, mas esse é um esforço eficaz.

O desrespeito entre amigos é algo frequente e isso aos poucos vai minando a amizade.

O amigo que desrespeita sente-se ameaçado pelo outro e não confia mais. Sempre há um motivo. O segredo é encontrar esse motivo e demonstrar o seu desagrado diante do desrespeito. Mesmo que seja “brincadeira”, desrespeito é desrespeito e dói, principalmente quando vem de pessoas que amamos.

Descubra o motivo e converse com seu amigo, confie e mostre respeito por ele, para que o mesmo possa confiar e respeitar, também.

Quem não tem autoridade, sente-se ameaçado por quem tem. É o caso de pais e filhos.

Em uma relação filho e pai, o filho sente-se ameaçado porque, na mente dele, o pai exerce uma autoridade injusta sobre ele. Dessa forma ele combate a injustiça com o desrespeito.

O pai pode identificar os pontos fortes de seu filho e destacá-los, mostrando como o admira. Pode também mostrar compreensão com as questões do filho e assim contribui para que o filho adquira respeito por ele mesmo. Criando uma relação de mais harmonia.

Existem muitos outros exemplos e se cada um for examinado de perto, a maioria mostrará que a pessoa que desrespeita se sente ameaçada de alguma forma.

Entender o porque uma pessoa se sente ameaçada pelo seu comportamento é importante se você deseja melhorar a relação entre vocês.

Se em uma situação de desrespeito, você em vez de pagar com a mesma moeda, tratar quem te desrespeitou com respeito, a outra pessoa se sentirá obrigada a devolver o ato. A maioria das pessoas tem a reação natural de retribuir o respeito que é genuinamente concedido.

Entre aqui e veja outros textos do site sinais de luta.

Uma história de sabedoria para quem não quer ser enganado

Em uma pequena cidade do interior, a casa de um rico comerciante foi roubada. 

O comerciante suspeitou que o ladrão fosse um de seus funcionários. 

Então, confuso, ele foi até um sábio e mencionou o incidente. 

O sábio foi até a casa do rico comerciante, reuniu todos os funcionários e perguntou qual deles roubava as coisas do comerciante. 

Todos negaram.

O sábio, intrigado, pensou por um momento. 

Em seguida, ele deu um pedaço de pau com o mesmo comprimento a cada um dos funcionários do comerciante e disse-lhes:

“O pedaço de pau do ladrão estará cinco centímetros mais comprido amanhã”. 

E ordenou que todos os empregados deviam estar presentes no mesmo horário e local, no dia seguinte, com seus pedaços de pau.

Os empregados foram para suas casas. 

No dia seguinte, eles se reuniram novamente no mesmo lugar. 

O sábio pediu-lhes que lhe mostrassem seus pedaços de pau. 

Um dos funcionários tinha o bastão cinco centímetros mais curto. 

O sábio proferiu: 

“Este é o ladrão, comerciante”.

O funcionário foi demitido e entregue à polícia.

Mais tarde, o comerciante perguntou ao sábio: 

“Como você o descobriu?” 

O sábio respondeu: 

“O ladrão havia cortado 5 centímetros de seu bastão à noite, temendo que o dele amanhecesse 5 centímetros, mais comprido”.

Quantas vezes você pensou que poderia omitir um ato de esperteza?

Ou talvez você conheça alguém que não tenha problemas em ter uma conduta pouco ética, desde que não seja descoberto.

Muitas pessoas não se importam em tirar vantagem daqueles que estão ao redor.

Lembre-se de que, em qualquer situação embaraçosa, sempre haverá um sábio capaz de olhar através das aparências. 

Além disso, o medo faz com que nosso próprio comportamento confesse nossa culpa.

Pense nisso quando estiver diante de uma oportunidade de ser desonesto. 

O caminho da simplicidade compensa!

Entre aqui e veja outras matérias do site sinais de luta.

Grávida e assustada corre pro ginecologista em busca de ajuda

Você é contra ou a favor do aborto? 

Ser crime ou não, não impede que milhares de mulheres morram todos os anos por causa do aborto.

Mas afinal, até que ponto temos o direito de criar leis que limitem a nossa liberdade de escolha?

Certa vez, li nas redes sociais uma história que me fez refletir bastante sobre esse assunto.

Uma mulher, muito preocupada, procurou um ginecologista, pois tinha um bebê com 1 ano e já estava grávida de outro, e naquele momento ela não queria ou não podia ter outro bebê.

O médico ficou surpreso com o pedido que a mulher lhe fez e resolveu fazer uma analogia, para tentar convencê-la a não fazer o aborto.

Então, disse-lhe que tinha uma ideia que poderia solucionar os problemas dela.

A mulher ficou muito contente e pediu que o médico continuasse.

O médico então sugeriu que a mulher, ao invés de matar o bebê que estava no seu ventre, matasse antes aquele que estava em seus braços, já que assim, poderia esperar tranquilamente pelo outro que ia nascer, e não teria de cuidar de dois bebês.

Já que ela queria matar um deles — e mães não fazem distinção de filhos — para o médico, não faria diferença. Ela também não precisaria passar pelo procedimento cirúrgico para abortar, o que de certa forma colocaria a sua vida em risco.

A mulher achou a ideia monstruosa e ficou extremamente chocada com a sugestão do seu médico, pois matar uma criança é crime.

O médico concordou com ela, que sim, seria um crime, mas ele achou que para ela não seria problema. Já que vai matar um dos filhos, não importa qual, certo?

Ela percebeu então, que não há diferença entre matar um filho que está nos braços ou um que está no ventre.

Depois de ler esta pequena história, me pus a pensar em qual seria a minha real opinião sobre esse assunto tão polêmico, e cheguei à seguinte conclusão:

Eu sou contra o aborto, mas sou contra o aborto no meu corpo. Eu não tenho o direito de decidir sobre o que o outro faz ao seu próprio corpo, isso cabe a cada um de nós.

O dever dos nossos legisladores é garantir que o nosso direito à liberdade de escolha seja preservado ao máximo, e não interferir.

Eu sou cristã, e acredito que desde o momento em que o espermatozoide penetra o óvulo a vida começa a acontecer. Sendo assim, no meu corpo, eu sou contra o aborto.

Entretanto, há pessoas que não acreditam em Deus e não é por causa disso que estas pessoas devem perder o seu direito de escolha. Esse é um direito que nos foi dado por Deus, a todos nós.

Portanto, só cabe a mim, escolher aquilo o que fazer com o meu corpo, que é da minha responsabilidade, em relação ao corpo e à vida de outras mulheres, eu definitivamente, não tenho esse direito.

Entre aqui e veja outras matérias do site sinais de luta.

O amor é para se dar ou para se sentir?

O que é o amor para você? O amor é algo que se sente ou é algo que se dá?

Para mim, o amor começa no sofrimento. É engraçado como o sofrimento, a vontade e o amor estão tão interligados.

O sofrimento impulsiona a vontade de mudar; mudar para que a dor deixe de doer; e é a partir dessa vontade de mudar que o amor acontece.

Quando encontramos alguém que julgamos ser especial, alguém que entendemos que merece o nosso total respeito e consideração, passamos a ver essa pessoa como se fosse uma espécie de espelho, ou alguém em quem se espelhar.

A partir desse encontro e dessa constatação o comportamento do outro começa a influenciar o nosso e se formos capazes de nos auto-analisarmos, faremos mudanças em nosso comportamento e até mesmo em hábitos muito enraizados, para que possamos estar a “altura” da outra pessoa; isso se julgarmos que necessitamos de mudanças ou de melhorar.

Entretanto, como todos nós estamos em constante evolução, temos sempre algo que necessita de ajustes e mudanças.

Por isso, penso que o amor é algo que se dá e não algo que se sente. O amor, para mim, é uma escolha. Eu escolho se quero dar meu amor ao próximo ou não. Eu decido se quero ser cordial, se quero ser tolerante, se quero ser afetuosa, se quero perdoar.

Por isso, o amor é uma decisão consciente e não algo que acontece apenas por uma troca de olhares, à isso eu chamo de paixão e atração.

Quando você olha para alguém pela primeira vez e sente o coração aos pulos, as mãos começam a suar, você fica nervosa, não sabe onde enfiar as mãos e muitas vezes até a própria cara. A outra pessoa parece perfeita aos nossos olhos, é um mar de rosas e passarinhos verdes que cantam sem parar.

Enfim, quando isso passa, pois são apenas emoções e têm prazo de validade, começamos a notar defeitos que, foram notados antes, mas a paixão era tanta que você nem quis saber e tolerou tudo.

Muito bem! É neste momento que a porca torce o rabo e é aí que você tem de fazer uma escolha: aceitar ou cobrar; amar ou deixar.

Entre aqui e veja mais matérias do site sinais de luta.

São os filhos que nos dão força para continuar, não importa como

Quem nunca? Quem nunca quis desistir de tudo, talvez até pediu a Deus que abreviasse seus dias sobre a face da terra. Mas para aqueles que são pais e mães, ao olharem aqueles olhinhos que nos observam por onde vamos, que esperam nossas respostas, nossas instruções, nossos sorrisos, nossos abraços, nessa expectativa depositada em nós por nossos filhos, e no amor que temos por eles, encontramos forças para continuar a caminhada.

A maioria dos casais sonha com a paternidade, é o momento onde de fato é formado uma família. Até então são identificados como o casal “X”, depois da chegada dos filhos, passam ser a família “X”.

Mesmo sendo um grande sonho, nem tudo é perfeito, as diferentes fases vêm com alegrias e também desafios, que geram aprendizados para ambos os lados.

A chegada dos filhos nos impulsiona ao amadurecimento, saber que há um “serzinho” completamente dependente de nós, nos faz repensar nossas atitudes, decisões e escolhas, visto que agora as consequências não serão apenas nossas, mas fatalmente, também desse pequeno.

São os pais os responsáveis por depositar os princípios que desejam que os filhos sigam em suas vidas, para isso primeiramente é preciso viver os princípios, muito mais que palavras, nossas atitudes serão refletidas na vida dos nossos filhos.

O relacionamento entre pais e filhos devem ser baseados na confiança, e para criar essa base de maneira sólida é preciso estar presente, não só de corpo, mas também de alma, mostrar disposição e interesse aos assuntos deles.

Há um ditado popular que podemos identificá-lo especialmente na função de pai e mãe: “Errar é humano”. Sim os erros vão acontecer na caminhada, mas esteja disponível para reconhecê-los e recomeçar.

Muitos filhos quando vão descrever seus pais, em seus discursos, intrinsecamente está uma visão de profunda admiração por aqueles que para eles são verdadeiros heróis. Eles pensam que temos resolução para tudo, mal imaginam o turbilhão de emoções pelo qual passamos.

Mesmo após estabelecerem suas vidas, os filhos, não deixam de buscar pela compreensão, pelos conselhos e pelo suporte de seus pais, é um vínculo para a vida toda. Por isso é tão importante estabelecer uma base saudável e de confiança entre ambos.

O desenvolvimento cognitivo que inicia ainda quando o filho é bebê e vai até o final da adolescência, depende muito dos pais, somos responsáveis por dar oportunidade da criança vivenciar experiências, e direcionar com instruções claras, responder suas dúvidas, para que seja internalizado o aprendizado.

A psicopedagoga Juliana Vargas fala do aumento de casos de depressão entre as crianças, e parte disso vem em decorrência da falta de conexão da família. Quanto menos tempo de qualidade se tem com os filhos, mais fraco serão os vínculos, menos respostas teremos às instruções que dermos.

O coração de nossos filhos precisa estar ligado a nós, caso não esteja, não responderão positivamente. “Uma criança em formação precisa conviver, conversar, ser ouvida e saber ouvir, por meio de sua família e amigos”, explica a psicopedagoga.

Especialmente as crianças menores precisam de ajuda para aprender a identificar seus sentimentos e nomeá-los, os pais desenvolvem papel fundamental nesse processo de desenvolvimento emocional dos filhos.

O sucesso nesta fase auxiliarão as crianças para que aprendam a dominar suas emoções, evitando assim problemas de birras e transtornos emocionais que cada vez mais tem se apresentado na fase da infância e adolescência.

Após um dia estressante de trabalho, é claro que você está com saudade de seus filhos e quer gastar um tempo com eles, mas se algo sai do que você julga ser ideal, a irritação acumulada no dia pode vazar nesse momento.

Cuidado, contenha-se para não se desestabilizar, respire fundo, repense o porque uma atitude o irritou tanto. Provavelmente aquela situação foi só a gota de água que faltava para transbordar. Será que seu filho merece receber o stress de um dia todo, se você só está com ele há algumas horas?

A psicóloga Piedad Gonzáles Hurtado, afirma: “Por mais que logo nos desculpemos com eles por perder a cabeça e demonstremos carinho, o dano está feito”.

Avalie seu dia-a-dia, seu relacionamento com seus filhos, sua produtividade, suas metas de vida. Tenha uma lista de prioridades, e invista naquilo que de fato importa.

Criar filhos que sabem lidar com suas conquistas e também com suas frustrações, produzirá neles, resiliência no que diz respeito a vida emocional, estudantil, profissional e social.

Todos queremos que nossos filhos tenham sucesso na vida, alcance seus ideais, então precisamos investir tempo na criação deles, para que cresçam emocionalmente saudáveis, e sigam seus caminhos.

<<< outras matérias