Comerciante descobre que seu funcionário é o próprio irmão perdido há três décadas

O comerciante Antonio Nunes, de 35 anos, cresceu tendo conhecimento de uma triste realidade: nos anos 1980, sua mãe entregou os dois irmãos caçulas para adoção logo após o nascimento, alegando não ter condições de criá-los. Ele próprio foi criado pela avó, por ser o mais velho.

Antônio sabia da história dos irmãos porque sua avó contou a ele na juventude. Além disso, a única informação que ele tinha era a data de nascimento dos caçulas, não tendo sequer os nomes deles.

Apesar de manter contato com a mãe biológica, nunca foi próximo à ela.

Em 2016, Antonio conheceu Jefferson Greueli, seu irmão do meio, um ano mais novo. Com o falecimento do pai de Jefferson, a mãe adotiva contou a história de sua família biológica e de seus irmãos – rapidamente ele conseguiu se encontrar com Antonio.

A dupla uniu forças para encontrar o mais novo. Munidos da data de nascimento do irmão, eles tentaram levantar informações no sistema público de adoção, sem sucesso.

Lembrando-se da mulher que intermediou a relação entre a mãe biológica e a família adotiva, Antonio foi em sua busca. A cabeleireira, no entanto, já não tinha mais contato com ninguém e dispunha apenas do nome do pai adotivo: João.

Além do nome, ela deu outra pista: tinha encontrado o irmão desconhecido ‘sem querer’ numa seção de votação do Cedup, nas eleições municipais de 2016. Em outras palavras, o caçula ainda morava em Blumenau.

Recomendamos:  Isto é o que acontece no corpo quando se bebe 8 copos de água por dia

Com a esperança renovada, Antonio e Jefferson continuaram procurando o irmão, mas o tempo passou e nenhuma notícia nova surgida. Até um acaso acontecer.

Um amigo das antigas

Antonio é dono de uma revenda de gás no bairro da Velha, em Blumenau, chamada “Tonho Gás”.

Em uma das muitas entregas que faz regularmente, conheceu Maicon Luciani, que trabalha numa empresa-cliente. Ao longo de quase dez anos, eles se encontravam com bastante frequência, e acabaram virando amigos.

No final do ano passado, Antonio viu uma publicação de Maicon no Facebook em que ele diz estar procurando emprego. Ele convidou o amigo para trabalhar em sua empresa.

Em janeiro, Maicon começou a trabalhar na Tonho Gás. Certo dia, o comerciante precisou viajar a Araucária (PR) para buscar um funcionário, convidando o recém-contratado colega para ir junto.

Em meio à viagem, Maicon tinha um cacoete semelhante ao de um tio de Antonio: pegava no sono sem perceber. Eles chegaram a brincar que poderiam ser parentes distantes.

“Gordo, tu és meu irmão, cara”

Na semana passada, durante a viagem de volta, os dois amigos e Fábio Riffel, o funcionário que estava em Araucária, começaram a conversar sobre o passado.

Antonio “Nunes” não chegou a mencionar que procurava um irmão, nem dar detalhes sobre sua família.

Neste momento, Maicon comentou que o sobrenome de sua família biológica era “Nunes”.

Assim que ouviu isso, o comerciante olhou para Fábio – que já sabia da história, –  e ambos souberam na hora o que isso queria dizer.

Recomendamos:  Isto é o que acontece no corpo quando se bebe água com estômago vazio

Para completar, Maicon disse que adoção fora intermediada por uma senhora cabeleireira que trabalhava na rodoviária.

“Nesse momento eu olhei pra ele e falei: ‘Gordo, tu és meu irmão, cara’. E ele achou que eu estava louco. Eu perguntei: ‘O nome do teu pai não era João? Tu não conheceu a cabeleireira no Cedup no dia das eleições?’ E a história fechou”, relembra Antonio.

Só depois que o irmão contou todos os detalhes, Maicon caiu na real. Na verdade, ele ainda levou mais um dia para compreender o que estava acontecendo.

“Eu sabia que tinha dois irmãos e uma mãe, mas nunca fui atrás. Descobrir que meu chefe é meu irmão foi um susto muito grande”, conta.

Tonho ligou imediatamente para Jefferson para contar a novidade: a família estava completa, finalmente!

Para o fim de semana, marcaram o primeiro churrasco de comemoração. “Agora é uma vida nova. Estamos nos adaptando, pois ainda é tudo muito recente. A vida é uma caixinha de surpresas”, celebra Antonio.

Achou esta história emocionante? Então compartilhe com os seus amigos e familiares!

via; razoesparaacreditar



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *