InícioCuriosidadesComo um diagnóstico de câncer aos 17 anos mudou minha vida

Como um diagnóstico de câncer aos 17 anos mudou minha vida

Publicidade

Andrés Nachón foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin aos 17 anos. Antes um jogador de basquete de elite, ele agora está trabalhando para se tornar um ciclista. Já faz mais de 8 anos que ele está sem o câncer.

Gosto de me imaginar como um milagre vivo.

Oito anos atrás, quando eu tinha 17 anos e era um jovem estudante atleta jogando basquete na IMG Academy na Flórida, fui diagnosticado com linfoma de Hodgkin. Era verão e minha família estava de férias.

Continue a ler após a publicidade.

Enquanto isso, fiquei com meus treinadores e companheiros de equipe fazendo os treinos de pré-temporada na praia.

Na época, durante um jogo de basquete, sofri uma falta e pensei que havia quebrado uma costela. Fiz uma tomografia computadorizada (TC) logo após o término do jogo porque estava muitas com dores físicas.

Quando os médicos finalmente tiveram os resultados do meu exame em mãos, descobriram que não havia nada de errado com minha caixa torácica.

No entanto, eles encontraram uma pequena massa que queriam analisar melhor.

Quando os resultados voltaram, foi como um balde de água muito fria: eu estava com câncer. Depois de alguns dias, consegui contar a terrível novidade para minha família.

Eles deixaram as férias de lado para estarem comigo, para que pudéssemos estar todos juntos e lutar como um time, como sempre fazemos.

Quando fui diagnosticado com câncer pela primeira vez, fiquei chocado. Então, eu senti medo.

Recomendamos:  Pessoas que bebem café sem açúcar são potenciais psicopatas, aponta pesquisa

Mais tarde, encontrei paz absoluta quando percebi que não era eu quem estava no comando, mas era eu quem poderia decidir como viver com o câncer.

Depois de meses de tratamento que enfraqueceu meu corpo, consegui me manter positivo com a ajuda de Deus, de minha família e de minha força interior.

Eu sabia que tinha 1 objetivo: o basquete.

Então, decidi me concentrar nisso e não deixei minha mente ter tempo suficiente para pensar sobre tudo o que estava acontecendo no hospital.

Minha mente só tinha espaço para pensar em como eu poderia melhorar aqui ou ali na quadra.

Cinco meses após o início do tratamento, eu estava de volta à quadra de basquete, mais uma vez uma criança com o sonho de usar o basquete como forma de transformar a mim e aos que estão ao meu redor.

Depois de sobreviver ao câncer, tive a oportunidade de representar meu lindo país, o México, jogando pelas seleções nacionais Sub-16 e Sub-17. Também joguei basquete na faculdade.

Continue a ler após a publicidade.

Ao lado de meus companheiros, sou o detentor do recorde no maior número de jogos ganhos em uma única temporada na Divisão 1 do Basquete Universitário (ABE) do México, com 39 vitórias e 1 derrota, e ganhamos o campeonato daquela temporada.

Depois de duas cirurgias no joelho, meus médicos me aconselharam a parar de jogar basquete competitivo.

A bola parou de quicar cedo demais para o meu gosto. Mas recentemente, decidi dar uma chance ao ciclismo.

Recomendamos:  As 5 mulheres mais inteligentes entre os signos

Pretendo usar o ciclismo como uma forma de mostrar ao mundo que não importa o que aconteça, seja bom ou ruim, tudo contribui para ajudá-lo a se tornar quem você é. Eu acredito que é você e somente você quem decide como reagir às circunstâncias que acontecem em sua vida, seja câncer, perda de um emprego ou qualquer outra coisa.

Depois do câncer, decidi que não iria ficar neste mundo e deixar o tempo passar sem agir.

Decidi pegar o que quer que apareça no meu caminho e encontrar uma maneira de ajudar a me tornar uma versão melhor de mim mesmo.

Acredito que adolescentes e jovens adultos que vivem com câncer devem ter algo que os lembre de onde estão no mundo.

Para mim, minha fé em Deus me ajudou a permanecer estável e confiante em saber que todas as coisas são possíveis.

O basquete também me ajudou a encontrar um propósito enquanto vivia com câncer.

Para outros jovens na mesma situação, pode ser um irmão ou namorada que os mantém ancorados.

Seja o que for, descobri que ter alguém ou algo em minha vida que não estava relacionado ao câncer me ajudou a manter o motor funcionando.

O câncer me transformou completamente em quem sou hoje. Mudou minha maneira de ver o mundo.

Isso me ajudou a valorizar o que realmente é importante na vida e a ignorar as bobagens em que às vezes nos envolvemos.

Sei que o relógio nunca para.

Recomendamos:  Chá de gengibre destrói pedras nos rins e melhora o fígado

Estamos aqui apenas por um curto período e não podemos mudar isso.

Mas ter linfoma de Hodgkin na adolescência me ensinou que, enquanto houvesse alguma luta em mim, eu poderia mover montanhas.

Isso me ajudou a entender que sou eu quem define as probabilidades ou mesmo às vezes vou contra elas.

Espero que minha história motive outras pessoas a enxergar as oportunidades em suas vidas e a aproveitar esses dons. Vá lá e abrace quem você é

Publicidade

via: Cancer.net

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais vistos