InícioComportamentoComo viver uma vida feliz na meia-idade

Como viver uma vida feliz na meia-idade

Publicidade

“Oh não, eu sou de meia-idade!” Acontece exatamente assim. Um dia você tem 18 anos – invencível, flexível, toda a sua vida pela frente – então, de repente, você tem 38 anos.

Parece que foi ontem que eu estava vestido todo de preto bebendo cerveja, me escondendo pelo campus com meus amigos fazendo travessuras sob a cobertura da noite. Agora, às 22h30 de uma sexta-feira, estou animado para rastejar na cama e assistir a um filme – e tudo bem, porque a vida é passageira.

A única coisa que sabemos com certeza é que nascemos, pagamos qualquer governo em que vivemos sob algum tipo de imposto e depois morremos. A realidade do tempo se torna mais evidente à medida que envelhecemos.

Então, um dia, não somos mais capazes de ignorar o relógio interno, diminuindo cada momento de cada dia em direção ao nosso fim inevitável … para onde foi a vida feliz?

Ainda podemos viver uma vida feliz na meia-idade?

Quando você é jovem, é mais fácil viver a vida ao máximo. Afinal, viver intensamente é o mantra de uma geração inteira de 20 e poucos anos.

A esperança é aproveitar cada segundo do dia para valer a pena, criando um fluxo infinito de memórias inestimáveis. No entanto, conforme você envelhece, algo muda.

Torna-se fácil perder aquela visão grandiosa da vida como um lugar de “maravilhas sem limites” e se atolar na areia movediça de contas, reuniões e metas de produção.

As realidades da idade adulta combinadas com as mudanças físicas visíveis no corpo podem tornar qualquer pessoa menos brilhante e dinâmica.

A TV e os filmes nos fazem acreditar que, no minuto em que percebemos que estamos na meia-idade, cairemos imediatamente em um estado de crise da meia-idade.

Eles querem que acreditemos que a realidade da mudança, evolução e a natureza fugaz desta existência preciosa enviaria qualquer pessoa a uma espiral de pensamentos ansiosos que só poderia ser curada fazendo uma tatuagem repentina, comprando uma motocicleta, traindo seu parceiro ou mudar para um novo país. No entanto, o contrário é verdadeiro.

Recomendamos:  Meu EX rico não paga meu estilo de vida luxuoso desde que nos separamos, é um abuso

É possível sentir felicidade e cultivar paz pessoal na meia-idade. Se você deseja ter uma vida feliz na meia-idade, aqui estão algumas coisas que você deve manter em mente:

1) Não acredite no hype

Viver uma vida feliz não é algo reservado a jovens ou idosos. Não há nenhuma quebra obrigatória necessária quando você chega aos 45 anos. Passar por uma crise de meia-idade não é inevitável.

O que é inevitável é a mudança e a transição. Se você ceder a toda a propaganda negativa sobre se tornar “coroa”, pode se privar da oportunidade de ter sua própria experiência.

O ditado é verdadeiro: “Você atrai aquilo em que se concentra”. Se você está focado em quão ruim será a meia-idade, é isso que você atrairá.

No entanto, se você está focado no autoaperfeiçoamento, cultivando a paz pessoal e promovendo um distanciamento confortável, você minimiza a capacidade do cérebro de ruminar sobre qualquer coisa, muito menos a ideia de que há uma crise iminente inevitável, desencadeada de forma terrível pela idade.

2) Aprenda a conviver com as mudanças e valorizar as pequenas coisas

Tudo muda constantemente. Nenhum dia é como o anterior, nem será como o próximo. Você tem uma escolha: você pode se enfurecer contra ele ou abraçá-lo.

A verdade é que você não precisa temer a mudança ou o desconhecido – nem vale a pena ter medo. Se você puder aprender a aceitar o mero fato de que tudo está em constante fluxo, você será mais capaz de lidar com a própria vida.

Há uma inevitabilidade nas mudanças que os humanos experimentam à medida que envelhecem. Sua aparência física, seu corpo e até mesmo sua função cognitiva mudará com o tempo.

Você vê o mundo ao seu redor “crescer” e, mais uma vez, você tem a escolha:

  • Ficar obcecado com as demandas sem fim e as mudanças constantes que acompanham a vida adulta;
  • Ignorar as mudanças óbvias que acontecem dentro e ao seu redor, como uma avestruz com a cabeça na areia; ou
  • Aceite e facilite a mudança porque você reconhece que é inevitável e você começou a fazer as pazes com a natureza inevitável de tudo isso.

A mudança é como a corrente de um rio: quanto mais você se enfurece contra ela, mais exausto você fica.

Não importa o quanto você tente resistir a ela, a corrente sempre vencerá e o carregará com ela. No entanto, se você for sábio, usará a corrente a seu favor.

Você se permitirá relaxar no fluxo para chegar mais rápido aonde deseja. Render-se à corrente de mudança é a chave para a felicidade na meia-idade.

Aprender a valorizar as pequenas coisas é um ato de entrega e amor próprio.

Em seu livro aclamado, “A paz é cada passo: o caminho da atenção plena na vida cotidiana”, Tich Hat Nhan, discute o segredo para cultivar a paz pessoal desenvolvendo uma apreciação pelas atividades e momentos cotidianos comuns que muitas vezes são esquecidos.

Tich sugere que, se você puder se conectar com o mundo ao seu redor por meio de atos conscientes – não importa o quão pequenos seja – isso levará a uma melhoria na qualidade de suas experiências vividas diariamente.

Render-se à magia do momento presente neutraliza os medos que surgem ao focar no desconhecido.

3) Trabalhe em suas coisas para que possa ser você mesmo, sem remorso

O velho ditado “onde quer que você vá, você está …” é mais verdadeiro hoje do que nunca. Não importa quanta tecnologia seja desenvolvida, quanto você viaje ou quantas horas por dia você se ocupe, sua mente é sua companhia constante.

Recomendamos:  Banho de manjericão e alecrim para melhorar a saúde e afastar más energias

Você não pode escapar de sua mente. Se houver coisas pesadas – coisas que você ainda não teve tempo de confrontar, demônios que você não matou ou um armário cheio de esqueletos que você não abriu – elas podem ser uma barreira para a paz e felicidade que você merece.

É hora de aposentar seu representante. Ser corajoso o suficiente para trabalhar e terminar suas coisas é exaustivo.

Quando você começar esse trabalho de autoaperfeiçoamento sinceramente, não terá energia para fazer nada além de ser você mesmo – assumidamente.

Não há necessidade de esconder suas peculiaridades, obscurecer seus limites ou comprometer sua paz de espírito. Não há representantes necessários.

Conclusão

Todo mundo quer ter uma vida feliz em todas as idades. Ninguém quer se sentir impotente e condenado a passar por uma crise terrível só porque está na meia-idade.

Só de pensar na provação que seria pode parecer a noite mais escura que você já experimentou sem a esperança de luz.

Mas, como sugere William Ernest Henley, você deve abraçar sua alma invencível, assumir as rédeas da jornada de sua vida e confiar que você é o mestre de seu destino e o capitão de sua alma.

Você não precisa entregar seu poder às conclusões precipitadas da sociedade sobre o envelhecimento ou medos infundados do desconhecido.

Você tem o poder de ditar como será sua vida, então não acredite no exagero, abrace a mudança, aprecie as pequenas coisas, trabalhe com suas coisas e seja você mesmo.

Publicidade

Se você gostou desse artigo, clique aqui e descubra mais informações e dicas sobre comportamento. via: Life Hack

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais vistos