InícioComportamentoCrie filhos sem limites e eles arrancarão seus olhos

Crie filhos sem limites e eles arrancarão seus olhos

Publicidade

“Cria corvos e eles te arrancarão os olhos”, assim conhecemos o ditado popular de que às vezes as boas intenções se pagam com ingratidão . Esse mesmo ditado pode ser aplicado à formação dos filhos e aos limites que os pais impõem, ou melhor, deixam de impor.

São muitos os questionamentos e dúvidas que surgem ao educar, assim como as diferentes emoções que surgem durante o processo, principalmente na hora de estabelecer limites.

É comum que muitos pais tenham dúvidas e possam vir a se sentir “péssimos pais” ao tomar decisões que envolvem o estabelecimento de normas e diretrizes para os pais.

Muitas dúvidas surgem diante do árduo trabalho de educar uma criança: Estou indo bem? Esta é a opção mais adequada? Por que, se estou convencido de que essa decisão é correta, sinto como se não fosse?

Diante dos milhões de questionamentos que surgem no que diz respeito à educação, encontramos um excesso de artigos, livros e informações sobre a parentalidade. Basta ir a uma livraria ou colocar no buscador palavras como educação, parentalidade ou ensino seguidas da palavra crianças para obter milhares de resultados com uma infinidade de dicas que nem sempre são coerentes e corretas.

O que é e o que não é um limite

Muitas pessoas associam a palavra limite com algo negativo e pensam que marcar bordas implica não levar em conta a opinião da criança.

No entanto, este conceito está muito distante de outros como gritar, irritar ou ignorar e está mais próximo de estruturar, regular e ensinar. Definir um limite não significa levantar a voz ou ficar com raiva, nem implica desrespeito.

Recomendamos:  Quem tem bons amigos tem tudo o que precisa, a vida fica melhor

Educar significa dizer “não” às solicitações que não podem ou não devem ser atendidas e ensinar à criança que às vezes é preciso esperar para conseguir o que deseja.

Também implica colocar consequências para comportamentos que devem ser corrigidos e ser coerentes com as decisões que são tomadas.

Isso não exige que os pais levantem constantemente a voz, fiquem com raiva ou ameace seus filhos. A mensagem pode ser transmitida com calma, clareza e sem se repetir muito.

Não é aconselhável fazer ameaças absolutas ou ameaças que nunca serão realizadas.

“Pai, você pode me comprar o bolo Peppa Pig?”

Imagine que você está em um supermercado e sua filha quer que você compre para ela o bolo Peppa Pig. Não é a hora nem a ocasião de comprar o bolo, então você diz não. Diante da sua recusa, sua filha insiste e começa a chorar e chutar no chão.

Nesse momento você começa a sentir vergonha, porque as pessoas ao seu redor te olham, você começa a ficar cada vez mais brava e para que a birra acabe e o show não continue, você compra o bolo para sua filha.

Sua filha, feliz com o bolo, cala a boca, você deixa de ter vergonha e as compras podem continuar.

Neste exemplo, quando os pais cedem, eles ficam aliviados porque a filha parou de chorar, eles não sentem mais vergonha e sua raiva não precisa ir mais longe. No entanto, a menina aprendeu que, usando acessos de raiva, pode conseguir o que deseja.

Embora no momento em que a situação ocorra possa ser controlada,  se isso se tornar um modo habitual de funcionamento, os acessos de raiva podem aumentar e tornar-se uma forma habitual de conseguir o que se deseja.

Patterson e sua armadilha de reforço negativo

A teoria da coerção de Patterson e sua armadilha de reforço negativo explicam muito bem o exemplo acima e como é mais fácil para os pais, a curto prazo,  ceder a pedidos inadequados de seus filhos.

No entanto, no longo prazo, o custo será muito mais alto, pois comportamentos inadequados se reproduzirão em uma taxa exponencial.

Quando os pais cedem a comportamentos inadequados, como birra, socos ou ameaças, ambas as partes “se sentem bem”. Por um lado, os pais fazem com que a criança pare e pare de incomodar, enquanto, por outro lado, a criança consegue o que deseja.

A Armadilha de Reforço Negativo de Patterson explica como os pais cedem a uma birra obtêm alívio, pois a birra para enquanto a criança tem sucesso.

Isso aumenta a probabilidade de que os acessos de raiva se tornem mais frequentes com o tempo.

No curto prazo, parece que ambas as partes ganham, mas no longo prazo as consequências podem não ser tão agradáveis. A criança aprenderá a manipular o adulto por meio desses comportamentos e os usará com mais regularidade.

Por outro lado, os pais acabarão não sendo capazes de controlar o comportamento do filho, a menos que lhe deem o que ele pede.

As consequências da falta de limites

Pessoas que não estabeleceram limites geralmente têm baixa tolerância à frustração, têm dificuldade em controlar suas emoções e não respondem bem ao cumprimento de regras e obrigações.

Eles tendem a manipular e fazer o outro se sentir mal para alcançar seu propósito.

Recomendamos:  Mulher quer que noivo mande embora filha de 4 anos ou que coloque para adoção, ela me irrita disse

Impertinência, exigência de privilégios, falta de perseverança e esforço, pouca paciência, pouca colaboração, problemas de comportamento, agressões ou mesmo destruição de objetos são alguns dos problemas que a falta de limites pode acarretar.

Nos transtornos comportamentais, como o transtorno desafiador de oposição ou o transtorno de conduta, caracterizado pelo desafio constante e pela quebra de regras, é comum encontrar uma educação sem limites onde é a criança quem manda, comanda e decide.

Se você não educar, quem o educará?

Recentemente, a psicóloga Teresa Rosillo disse em uma entrevista: “esquecemos de dizer aos filhos que os pais são os patrões”. Existem muitos lares onde o menor é quem dá a última palavra e são os adultos que ajustam seus planos e rotinas às demandas e caprichos da criança.

Uma das tarefas fundamentais dos pais é educar para que o próprio filho se regule. No entanto, para que a criança seja capaz de se regular antes, ela deve ter sido regulada de fora.

São os pais, e não outras entidades ou pessoas, que têm o dever e a obrigação de educar os filhos.

Isso implica ouvir, ensinar o que é certo e errado, dizer “agora não”, “já falamos sobre isso” ou “você vai ter que esperar” em muitas ocasiões, frustrando e ensinando-os a superar esse sentimento.

Educar não é uma tarefa fácil, mas se os pais não assumem, quem o fará?

Foto de capa meramente ilustrativa: Foto de Sharon McCutcheon no Unsplash

Publicidade

Se esse artigo foi útil para si, entre aqui e veja mais informações sobre comportamento. via: lamenteesmaravillosa

- Publicidade -

Mais vistos