InícioComportamentoDescubra o seu QI de relacionamento com um questionário esclarecedor

Descubra o seu QI de relacionamento com um questionário esclarecedor

Publicidade

Perguntas:

1) O indicador número um de divórcio é:
a) Discordância contínua sobre dinheiro e questões financeiras.
b) A evitação habitual do conflito.
c) Gritar e berrar durante as lutas.

2) Casais que “vão longe” – cujos casamentos são bem-sucedidos – têm menos divergências sobre as três questões centrais: se&o, dinheiro e trabalho doméstico. Verdadeiro ou falso?

3) Casais que estão constantemente gritando ou reclamando um do outro, estão condenados. Verdadeiro ou falso?

Continue a ler após a publicidade.

4) Ao discutir um problema ou desacordo, é importante:
a) Manter os sentimentos fora da discussão e tentar apegar-se aos fatos.
b) Certifique-se de que você pode expressar com precisão a posição de seu parceiro, incluindo seus sentimentos e medos sobre o assunto que está sendo discutido.
c) Concentre-se em soluções práticas – na solução do problema. Muita discussão pode desviar você.

5) O envolvimento extraconjugal ocorre em casamentos felizes e não é necessariamente um sintoma de um relacionamento problemático. Verdadeiro ou falso?

6) Após o nascimento do primeiro filho:
a) Há pouco impacto no casamento; a qualidade de um casamento depende mais das questões de compatibilidade do casal.
b) O casamento entra no estágio de “brilho caloroso” e permanece lá por vários anos.
c) A satisfação conjugal cai.

7) Os casais devem tentar resolver a maioria de suas desavenças. Verdadeiro ou falso?

Respostas:

1) b.

O que é triste, porque muitas vezes evitamos conflitos precisamente porque estamos muito apaixonados e acreditamos que discordar ou brigar pode causar o divórcio.

Recomendamos:  O seu cão gosta de dormir com você por estes 5 motivos

Estamos cientes de que há uma taxa de divórcio de 50% há 30 anos e estamos com medo. Mas a maneira de ter um casamento feliz é aprender a lidar com as desavenças inevitáveis ​​que fazem parte de todo relacionamento.

2) Falso.

A pesquisa mostra que os casais que conseguem e os casais que fracassam discordam na mesma proporção.

Eles também discordam sobre as mesmas questões, e há cinco questões centrais, não três – adicionar filhos e parentes por afinidade à lista. Acontece que não é se você discorda que faz a diferença (isso é normal); é como você lida com suas divergências.

3) Falso.

Gritar, reclamar, chorar e até mesmo revisitar o mesmo assunto “continuamente” pode ser irritante, mas são comportamentos como evitação, desinteresse, desprezo, culpa, crítica e “tratamento silencioso” que levam ao divórcio.

Reclamar é dizer: “Fico totalmente louco quando você liga e atende a secretária eletrônica e não deixa recado!” A crítica é: “Você é tão imprudente! Você nunca deixa uma mensagem quando liga.”

Continue a ler após a publicidade.

O desprezo é mortal: “Algumas pessoas sabem para que serve uma secretária eletrônica. Acho que isso exige um cérebro. Mais uma prova de que você é tão burro quanto sua mãe.

“Reclamar – mesmo que você grite, mesmo que seja a mesma reclamação de sempre – traz os problemas à tona. É uma coisa boa. A crítica e o desprezo corroem o amor.

4) b.

Muitos desacordos nada têm a ver com os fatos e tudo a ver com nossos sentimentos a respeito deles. É crucial que vocês entendam as posições uns dos outros – tanto o que pensam sobre o assunto, como também como se sentem a respeito, seus medos, ambivalências e sonhos.

Recomendamos:  Mulher vista como madrasta malvada após proibir enteada com apenas 4 anos de ter seu próprio quarto

Frequentemente, compreensão e respeito mútuo são tudo de que você realmente precisa; alguns problemas não têm soluções.

Na verdade, a maioria dos problemas ou divergências no casamento não tem solução – eles são crônicos ou “irreconciliáveis”.

Os casais simplesmente precisam contê-los e evitar que contaminem o resto do casamento. Mary Matalin e James Carville são o casal-pôster de como isso funciona.

5) Verdadeiro.

Muitas pessoas que têm casos relatam que seu casamento está bem, amam o cônjuge e a família e não amam seu amante – só queriam agitação ou variedade e se iludiam pensando que isso não faria mal a ninguém.

Frank Pittman, MD, autor de Private Lies and Grow Up!, diz que as opiniões dos parentes e amigos do homem sobre a monogamia são um melhor indicador de casos do que a qualidade do relacionamento conjugal.

Por exemplo, se um Kennedy foi fiel por muito tempo, seu pai pode ter perguntado se ele estava comendo seus Wheaties. Barry McCarthy, Ph.D., autor de Rekindling Desire, concorda.

McCarthy acredita que o compromisso com a honestidade é tão importante quanto o compromisso com a monogamia.

Frequentemente, os casais discutem como lidarão com o dinheiro, os filhos e o trabalho doméstico antes de se casarem, mas não o que farão quando o sexo acabar ou alguém se sentir atraído por um colega de trabalho ou vizinho.

6) c.

Há muito mais sobre o que discordar. É quando os casais realmente precisam de habilidades. Em 70 por cento dos casais, a satisfação conjugal cai durante os três meses anteriores e os três meses após o nascimento do primeiro filho.

Recomendamos:  Encontre as 2 avós sem bengala, poucos consegue em menos de 15 segundos

7) Falso.

Todos os casais têm cerca de dez questões que nunca resolverão. Se você trocar de parceiro, terá dez novos problemas, e eles provavelmente serão mais complicados na segunda vez – especialmente se houver crianças envolvidas.

O que é importante é desenvolver um diálogo ou “dança” com seu conjunto particular de diferenças irreconciliáveis, da mesma forma que você enfrentaria uma dor crônica nas costas ou um joelho ruim.

Você não gosta deles, gostaria que eles não estivessem lá, mas continua falando sobre eles e aprende a conviver com eles.

Publicidade

Via: yourtango

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais vistos