Estudo revela que ouvir música antes de dormir pode piorar seu sono

Se você ouve música antes de dormir, seu cérebro continua processando a melodia enquanto você dorme, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Psychological Science.

Um estudo de laboratório do sono descobriu que cerca de um quarto dos participantes que ouviam músicas conhecidas antes de dormir acordaram durante a noite com a melodia “presa” em suas cabeças.

Essa repetição espontânea de música na mente – um fenômeno denominado música chiclete – foi associado a uma menor qualidade do sono.

Os autores do estudo observam que é mais provável que alguém experimente a música chiclete, uma forma de imagem musical involuntária, após ouvir música com um andamento rápido e contornos melódicos específicos.

Os jovens estão ouvindo música mais do que nunca, e a indústria da música é dominada por esses tipos de músicas animadas que são feitas para serem cativantes.

Dado que muitas pessoas ouvem música para adormecer, os pesquisadores queriam investigar se ouvir música na hora de dormir pode causar esse fenômeno que por conseguinte, pode afetar a qualidade do sono.

“Nunca pensei no fenômeno da música chiclete até que ensinei um curso de cognição e aprendi que há um subcampo dedicado a entender por que experimentamos as músicas presas em nossas mentes”, disse o autor do estudo Michael K. Scullin.

“Como cientista do sono, eu estava curioso para saber se ter isso na afetaria o sono na hora de dormir. Alguns de nós pensaram que isso prejudicaria o sono porque a música chiclete às vezes pode ser irritante.

Recomendamos:  Cães e humanos têm vínculo magnífico, de um simples contrato de serviços ao amor

Outros no laboratório pensaram que ajudaria a dormir, porque talvez a música chiclete o distraísse de pensamentos insistentes.

Foi uma série de estudos divertidos para testar esses pontos de vista concorrentes.”

Em um estudo transversal inicial entre 199 americanos, cerca de 33% dos participantes relataram ter experimentado o fenômeno na hora de dormir – ao tentar adormecer, ao acordar à noite ou ao acordar pela manhã.

Os participantes que relataram ouvir música com mais frequência eram mais propensos a experimentar esse caso da música prolongada relacionado ao sono.

Curiosamente, uma melhor audição de música foi associada a um sono pior, e esse efeito foi mediado pela frequência da música prolongada relacionada ao sono.

Notavelmente, os participantes com esse fenômeno relacionado ao sono tiveram pontuação 54% pior no Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh.

Em seguida, Scullin e sua equipe conduziram um experimento de laboratório do sono entre uma amostra de 48 jovens adultos.

O experimento envolveu um teste de polissonografia, que gravou as ondas cerebrais dos indivíduos, os níveis de oxigênio no sangue, os padrões de respiração, a frequência cardíaca e os movimentos dos olhos e do corpo durante a noite.

É importante ressaltar que cerca de meia hora antes de ir dormir, todos os participantes foram designados aleatoriamente para ouvir versões instrumentais ou líricas de três canções pop conhecidas.

Na manhã seguinte, cerca de dez minutos depois de acordar, os participantes foram questionados se eles tinham um “som, música ou melodia” gravado em suas cabeças.

Recomendamos:  A sua paz interior começará quando você parar de deixar que te manipulem

Eles também foram questionados se haviam experimentado uma música sendo gravada em suas cabeças enquanto tentavam adormecer, ao acordar durante a noite ou ao acordar pela manhã.

De acordo com os resultados da polissonografia, os participantes que ouviram a música instrumental, tiveram um sono significativamente pior em comparação com aqueles que ouviram a música lírica – como demonstrado pela menor eficiência do sono e mais problemas para adormecer.

Pessoas com o caso de música chiclete referente ao sono também tiveram um sono pior, como evidenciado por uma pior eficiência do sono, mais problemas para adormecer, mais acordar durante a noite e “uma mudança de um sono mais profundo para um sono mais leve”.

Notavelmente, esse efeito foi exclusivo para músicas chicletes experimentadas na hora de dormir, e o mesmo efeito não foi encontrado cerca de dez minutos depois de se levantar.

Semelhante ao primeiro estudo, cerca de um quarto dos participantes disseram que acordaram do sono com uma música na cabeça, uma descoberta que os autores dizem ser impressionante, já que os participantes não ouviram música por 8 horas e não havia nada no ambiente para desencadear imagens musicais involuntárias.

“Realizamos dois estudos, um baseado em pesquisas e outro envolvendo trazer pessoas para um laboratório do sono e induzir esse efeito de música prolongada experimentalmente.

Nossas descobertas apontam para a mesma conclusão: quanto mais você ouve música, maior a probabilidade de ter a música na cabeça, o que aumenta a probabilidade de problemas de sono”, disse Scullin ao site.

Recomendamos:  Propriedades curativas do capim-limão e como é usado na cozinha

Em um estudo final, os pesquisadores analisaram os dados de eletroencefalografia (EEG) do estudo do laboratório do sono e encontraram evidências de maiores oscilações frontais lentas em pessoas que dormem com o efeito da música prolongada.

Essas oscilações lentas frontais também foram relatadas em estudos de consolidação da memória, sugerindo que o caso da música chiclete é o resultado do cérebro reproduzindo melodias espontaneamente durante o sono para ajudar a transferir as informações para as redes corticais.

“Descobrimos que 1/4 das pessoas relatou ter uma canção na mente no meio da noite ou imediatamente ao acordar pela manhã. Isso nos fascinou.

Por que alguém deveria ter uma música presa em sua cabeça se não ouviu música ou foi exposto a outras pistas ambientais por muitas horas? ” Scullin disse.

“Achamos que isso deve refletir um processo de consolidação da memória – a melodia musical está sendo reativada à noite.

Curiosamente, a mesma assinatura da atividade cerebral de consolidação da memória durante o sono (atividade de oscilação frontal lenta) foi observada elevada em indivíduos que relataram ter o efeito durante a noite.

Ainda assim, ainda não temos uma resposta de porque a consolidação da memória de uma música deve resultar em pior qualidade do sono.”

Juntos, os resultados sugerem que o processamento musical continua durante o sono e que ouvir música familiar antes de dormir pode não ser propício para um bom sono.

“Existem muitos ‘modismos’ para melhorar o sono”, acrescentou Scullin. “Mas é importante lembrar que obter um bom sono começa com a priorização do sono.

Escolher uma hora de dormir mais cedo e segui-la consistentemente é uma das coisas mais importantes que uma pessoa pode fazer para se sentir bem descansada e florescer durante o dia.”

Se esse conteúdo foi útil para si, entre aqui e descubra mais informações e dicas interessantes sobre saúde e bem-estar. via: Psypost


- Publicidade -

Últimas entradas

- Publicidade -