Tudo o que você precisa saber sobre fibromialgia

Tudo o que você precisa saber sobre fibromialgia – remédios naturais e dieta

A fibromialgia é uma condição de longo prazo (crônica). Isso causa:

  • dor nos músculos e ossos (dor musculoesquelética);
  • áreas de sensibilidade;
  • fadiga geral;
  • sono e distúrbios cognitivos.

Essa condição pode ser difícil de entender, mesmo para profissionais de saúde. Seus sintomas são semelhantes aos de outras doenças, e não existem testes reais para confirmar o diagnóstico.

Como resultado, a fibromialgia costuma ser diagnosticada incorretamente.

No passado, alguns profissionais de saúde até questionavam se a fibromialgia era real. Hoje, é muito melhor compreendido. Parte do estigma que o envolvia diminuiu.

A fibromialgia ainda pode ser difícil de tratar. Porém, medicamentos, terapia e mudanças no estilo de vida podem ajudá-lo a controlar os sintomas e a melhorar sua qualidade de vida.

Sintomas de fibromialgia

A fibromialgia causa o que agora é conhecido como “regiões de dor”. Algumas dessas regiões se sobrepõem ao que era anteriormente conhecido como áreas de sensibilidade chamadas de “pontos-gatilho” ou “pontos sensíveis”.

Mas algumas dessas áreas de sensibilidade anteriormente observadas foram excluídas.

A dor nessas regiões parece uma dor maçante consistente. Seu profissional de saúde irá considerar um diagnóstico de fibromialgia se você sentiu dor musculoesquelética em 4 das 5 regiões de dor descritas nas revisões de 2016 dos critérios de diagnóstico de fibromialgia .

Este protocolo de diagnóstico é conhecido como “dor em vários locais”. Está em contraste com a definição dos critérios diagnósticos de fibromialgia de 1990 para “dor crônica generalizada”.

Esse processo de diagnóstico se concentra nas áreas de dor musculoesquelética e na intensidade da dor, em oposição à ênfase na duração da dor, que antes era o critério focal para um diagnóstico de fibromialgia.

Outros sintomas de fibromialgia incluem:

  • fadiga;
  • dificuldade em dormir;
  • dormir por longos períodos de tempo sem se sentir descansado (sono não restaurador);
  • dores de cabeça;
  • depressão;
  • ansiedade;
  • dificuldade em focar ou prestar atenção;
  • dor ou uma dor surda na parte inferior da barriga;
  • olhos secos;
  • problemas de bexiga, como cistite intersticial.

Em pessoas com fibromialgia, o cérebro e os nervos podem interpretar mal ou reagir de forma exagerada aos sinais normais de dor.

Isso pode ser devido a um desequilíbrio químico no cérebro ou anormalidade nogânglio da raiz dorsal afetando a sensibilização da dor central (cérebro).

A fibromialgia também pode afetar suas emoções e nível de energia.

Névoa de fibromialgia

Névoa de fibromialgia – também conhecida como “névoa de fibro” ou “névoa do cérebro” – é um termo que algumas pessoas usam para descrever a sensação de confusão que têm.

Os sinais de névoa fibro incluem:

  • lapsos de memória;
  • dificuldade de concentração;
  • dificuldade em ficar alerta.

De acordo com um Estudo de 2015 publicado na Rheumatology International, algumas pessoas consideram a confusão mental causada pela fibromialgia mais perturbadora do que a dor.

Sintomas de fibromialgia em mulheres

Os sintomas de fibromialgia geralmente são mais graves em mulheres do que em homens.

As mulheres têm mais dor generalizada, sintomas de SII e fadiga matinal do que os homens. Períodos dolorosos também são comuns.

Mas quando as revisões de 2016 aos critérios diagnósticos forem aplicadas, mais homens estão sendo diagnosticados com fibromialgia, o que pode reduzir o grau de distinção entre os níveis de dor que homens e mulheres experimentam.

Mais pesquisas precisam ser feitas para avaliar melhor essa distinção.

A transição para a menopausa pode piorar a fibromialgia. Para complicar as coisas, alguns sintomas da menopausa e da fibromialgia parecem quase idênticos.

Fibromialgia em homens

Os homens também têm fibromialgia. No entanto, eles podem permanecer sem diagnóstico porque é vista como uma doença predominantemente feminina.

Mas as estatísticas atuais mostram que, à medida que o protocolo de diagnóstico de 2016 é mais prontamente aplicado, mais homens estão sendo diagnosticados.

Os homens também apresentam dores intensas e sintomas emocionais decorrentes da fibromialgia.

A condição afeta a qualidade de vida, carreira e relacionamentos dos homens, de acordo com uma pesquisa de 2018 publicada no American Journal of Public Health.

Parte do estigma e da dificuldade em ser diagnosticado decorre da expectativa da sociedade de que os homens que estão com dor devem “engolir tudo”.

Os homens que se aventuram a consultar um médico podem enfrentar constrangimento e a chance de suas queixas não serem levadas a sério.

Pontos de gatilho da fibromialgia

No passado, as pessoas eram diagnosticadas com fibromialgia se apresentassem dor e sensibilidade generalizadas em pelo menos 11 dos 18 pontos-gatilho específicos ao redor do corpo.

Os profissionais de saúde verificariam quantos desses pontos doíam pressionando-os com firmeza.

Os pontos de gatilho comuns incluem:

  • atrás da cabeça;
  • topos dos ombros;
  • parte superior do tórax;
  • ancas;
  • joelhos;
  • cotovelos externos.
Recomendamos:  Como tratar a queda de cabelo de forma natural

Na maioria das vezes, os pontos de gatilho não fazem mais parte do processo de diagnóstico.

Em vez disso, os profissionais de saúde podem diagnosticar fibromialgia se você teve dor em 4 das 5 áreas de dor, conforme definido pelos critérios de diagnóstico revisados ​​de 2016, e você não tem nenhuma outra condição médica diagnosticável que possa explicar a dor.

Dor de fibromialgia

A dor é o sintoma característico da fibromialgia. Você o sentirá em vários músculos e outros tecidos moles ao redor do corpo.

A dor pode variar de uma dor leve a um desconforto intenso e quase insuportável. Sua gravidade pode ditar o quão bem você lida com o dia a dia.

A fibromialgia parece resultar de uma resposta anormal do sistema nervoso. Seu corpo reage exageradamente a coisas que normalmente não deveriam ser dolorosas. E você pode sentir dor em mais de uma área do corpo.

Mas as pesquisas disponíveis ainda não apontam uma causa exata para a fibromialgia.

A investigação continua a evoluir para melhor compreender esta condição e a sua origem.

Dor no peito

Quando a dor da fibromialgia está no peito, pode ser assustadoramente semelhante à dor de um ataque cardíaco.

A dor torácica na fibromialgia está, na verdade, centrada na cartilagem que conecta as costelas ao esterno. A dor pode irradiar para os ombros e braços.

Dor torácica de fibromialgia pode causar:

  • afiado;
  • esfaqueamento;
  • como uma sensação de queimação.

Semelhante a um ataque cardíaco, também pode fazer com que você tenha dificuldade para recuperar o fôlego.

Dor nas costas

Suas costas são um dos lugares mais comuns para sentir dor. A maioria dos americanos tem dor lombar em algum momento de suas vidas.

Se suas costas doem, pode não ficar claro se a culpa é da fibromialgia ou de outra condição, como artrite ou distensão muscular.

Outros sintomas, como neblina cerebral e fadiga, podem ajudar a identificar a fibromialgia como a causa. Também é possível ter uma combinação de fibromialgia e artrite.

Os mesmos medicamentos que você toma para aliviar os outros sintomas da fibromialgia também podem ajudar com a dor nas costas.

Os exercícios de alongamento e fortalecimento podem ajudar a fornecer suporte para os músculos e outros tecidos moles das costas.

Dor na perna

Você também pode sentir dor de fibromialgia nos músculos e tecidos moles das pernas.

A dor nas pernas pode ser semelhante à dor de um músculo distendido ou à rigidez da artrite. Pode ser:

  • profundo;
  • queimando;
  • latejante.

Às vezes, a fibromialgia nas pernas parece dormência ou formigamento. Você pode ter uma sensação de “rastejar assustador”.

Uma necessidade incontrolável de mover as pernas é um sinal da síndrome das pernas inquietas (SPI), que pode se sobrepor à fibromialgia.

A fadiga às vezes se manifesta nas pernas. Seus membros podem parecer pesados, como se estivessem presos por pesos.

Fibromialgia causa

Profissionais de saúde e pesquisadores não sabem o que causa a fibromialgia.

De acordo com as pesquisas mais recentes, a causa parece ser uma teoria de múltiplos acertos que envolve a disposição genética (características hereditárias) complementada por um gatilho, ou um conjunto de gatilhos, como infecção, trauma e estresse.

Vamos examinar mais de perto esses fatores potenciais e vários outros que podem influenciar o motivo pelo qual as pessoas desenvolvem fibromialgia.

Infecções

Uma doença anterior pode desencadear a fibromialgia ou piorar seus sintomas.

A gripe, a pneumonia, as infecções gastrointestinais, como as causadas pelas bactérias Salmonella e Shigella, e o vírus Epstein-Barr têm possíveis ligações com a fibromialgia.

Genes

A fibromialgia geralmente ocorre em famílias. Se você tem um membro da família com essa condição, corre um risco maior de desenvolvê-la.

Os pesquisadores acham que certas mutações genéticas podem desempenhar um papel.

Eles identificaram alguns genes possíveis que afetam a transmissão de sinais químicos de dor entre as células nervosas.

Trauma

Pessoas que passam por um grave trauma físico ou emocional podem desenvolver fibromialgia. A condição foi ligada ao transtorno de estresse pós-traumático (PTSD).

Estresse

Assim como o trauma, o estresse pode deixar efeitos duradouros em seu corpo. O estresse tem sido associado a mudanças hormonais que podem contribuir para a fibromialgia.

Os profissionais de saúde não entendem totalmente o que causa a natureza crônica generalizada da dor da fibromialgia.

Uma teoria é que o cérebro diminui o limiar da dor. Sensações que não eram dolorosas antes tornam-se muito dolorosas com o tempo.

Outra teoria é que os nervos reagem exageradamente aos sinais de dor. Eles se tornam mais sensíveis, a ponto de causar dores desnecessárias ou exageradas.

Fibromialgia e autoimunidade

Em doenças autoimunes, como artrite reumatóide (AR) ou esclerose múltipla (EM), o corpo erroneamente direciona seus próprios tecidos com proteínas chamadas autoanticorpos.

Assim como normalmente atacaria vírus ou bactérias, o sistema imunológico em vez disso ataca as articulações ou outros tecidos saudáveis.

Recomendamos:  A razão por trás do olhar crítico de Virgem

Os sintomas da fibromialgia são muito semelhantes aos das doenças autoimunes.

Essas sobreposições de sintomas levaram à teoria de que a fibromialgia pode ser uma doença auto-imune.

Essa afirmação tem sido difícil de provar, em parte porque a fibromialgia não causa inflamação e porque a reprodução de autoanticorpos não foi encontrada até o momento.

É possível ter uma doença autoimune e fibromialgia simultaneamente.

Fatores de risco de fibromialgia

Os surtos de fibromialgia podem ser o resultado de:

  • estresse;
  • prejuízo;
  • uma doença, como a gripe.

Um desequilíbrio nas substâncias químicas do cérebro pode fazer com que o cérebro e o sistema nervoso interpretem mal ou reajam de forma exagerada aos sinais normais de dor.

Outros fatores que aumentam o risco de desenvolver fibromialgia incluem:

  • Gênero. A maioria dos casos de fibromialgia é atualmente diagnosticada em mulheres, embora a razão para essa disparidade de gênero não seja clara.
  • Era. É mais provável que você seja diagnosticado na meia-idade e seu risco aumenta à medida que você envelhece. Mas as crianças também podem desenvolver fibromialgia.
  • História de família. Se você tem parentes próximos com fibromialgia, pode correr um risco maior de desenvolvê-la.
  • Doença. Embora a fibromialgia não seja uma forma de artrite, ter lúpus ou AR pode aumentar o risco de também ter fibromialgia.

Diagnóstico de fibromialgia

Seu profissional de saúde pode diagnosticar fibromialgia se você teve dor generalizada por 3 meses ou mais.

“Ampla” significa que a dor está nos dois lados do corpo e você a sente acima e abaixo da cintura.

Após um exame completo, seu profissional de saúde deve concluir que nenhuma outra condição está causando sua dor.

Nenhum teste de laboratório ou varredura de imagem pode detectar fibromialgia. Seu profissional de saúde pode usar esses testes para ajudar a descartar outras causas possíveis de sua dor crônica.

A fibromialgia pode ser difícil para os profissionais de saúde distinguirem das doenças autoimunes porque os sintomas frequentemente se sobrepõem.

Algumas pesquisas apontaram para uma ligação entre a fibromialgia e doenças autoimunes como a síndrome de Sjogren.

Tratamento de fibromialgia

Atualmente, não há cura para a fibromialgia.

Em vez disso, o tratamento se concentra na redução dos sintomas e na melhoria da qualidade de vida com:

  • medicamentos;
  • estratégias de autocuidado;
  • Mudancas de estilo de vida.

Os medicamentos podem aliviar a dor e ajudá-lo a dormir melhor. A terapia física e ocupacional melhora sua força e reduz o estresse em seu corpo.

Exercícios e técnicas de redução do estresse podem ajudá-lo a se sentir melhor, tanto mental quanto fisicamente.

Além disso, você pode buscar suporte e orientação. Isso pode envolver ver um terapeuta ou ingressar em um grupo de apoio.

Medicamento para fibromialgia

O objetivo do tratamento da fibromialgia é controlar a dor e melhorar a qualidade de vida. Isso geralmente é realizado por meio de uma abordagem dupla de autocuidado e medicação.

Os medicamentos comuns para a fibromialgia incluem:

Analgésicos

Analgésicos de venda livre, como o ibuprofeno (Advil) ou o paracetamol (Tylenol), podem ajudar com dores leves.

Os narcóticos, como o tramadol (Ultram), que é um opioide, eram prescritos anteriormente para o alívio da dor.

Mas a pesquisa mostrou que eles não são eficazes. Além disso, a dosagem de narcóticos costuma ser aumentada rapidamente, o que pode representar um risco para a saúde dos prescritos.

A maioria dos profissionais de saúde recomenda evitar narcóticos para tratar a fibromialgia.

Antidepressivos

Antidepressivos como a duloxetina (Cymbalta) e milnaciprano HCL (Savella) às vezes são usados ​​para tratar a dor e a fadiga da fibromialgia.

Esses medicamentos também podem ajudar a melhorar a qualidade do sono e trabalhar no reequilíbrio dos neurotransmissores.

Medicamentos anticonvulsivantes

Gabapentina (Neurontin) foi projetada para tratar a epilepsia, mas também pode ajudar a reduzir os sintomas em pessoas com fibromialgia.

Pregabalina (Lyrica), outro medicamento anticonvulsivo, foi o primeiro medicamento aprovado pelo FDA para fibromialgia. Ele impede que as células nervosas enviem sinais de dor.

Alguns medicamentos que não são aprovados pelo FDA para tratar a fibromialgia, incluindo antidepressivos e soníferos, podem ajudar com os sintomas. Relaxantes musculares, que antes eram usados, não são mais recomendados.

Os pesquisadores também estão investigando alguns tratamentos experimentais que podem ajudar as pessoas com fibromialgia no futuro.

Remédios naturais para fibromialgia

Se os medicamentos prescritos pelo seu profissional de saúde não aliviarem totalmente os sintomas da fibromialgia, você pode procurar alternativas.

Muitos tratamentos naturais se concentram em diminuir o estresse e reduzir a dor. Você pode usá-los sozinhos ou em conjunto com tratamentos médicos tradicionais.

Os remédios naturais para a fibromialgia incluem:

  • fisioterapia;
  • acupuntura;
  • 5-hidroxitriptofano (5-HTP);
  • meditação;
  • ioga (use com cuidado se houver hipermobilidade);
  • tai chi;
  • exercício;
  • massagem terapêutica;
  • uma dieta equilibrada e saudável.

A terapia pode reduzir potencialmente o estresse que desencadeia os sintomas de fibromialgia e depressão.

Recomendamos:  Pessoas inteligentes gostam mesmo é de ficar em casa

A terapia de grupo pode ser a opção mais acessível e lhe dará a chance de conhecer outras pessoas que estão passando pelos mesmos problemas.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é outra opção que pode ajudá-lo a gerenciar situações estressantes.

Terapia individual também está disponível se você preferir ajuda individual.

É importante observar que a maioria dos tratamentos alternativos para a fibromialgia não foi completamente estudada ou comprovadamente eficaz.

Pergunte ao seu profissional de saúde sobre os benefícios e riscos antes de tentar qualquer um desses tratamentos.

Recomendações de dieta para fibromialgia

Algumas pessoas relatam que se sentem melhor quando seguem um plano de dieta específico ou evitam certos alimentos.

Mas a pesquisa não provou que qualquer dieta melhora os sintomas da fibromialgia.

Se você foi diagnosticado com fibromialgia, tente comer uma dieta balanceada de modo geral.

A nutrição é importante para ajudar você a manter seu corpo saudável, para evitar que os sintomas piorem e para fornecer a você um suprimento constante de energia.

Estratégias dietéticas a serem lembradas:

  • Coma frutas e vegetais, junto com grãos inteiros, laticínios com baixo teor de gordura e proteínas magras.
  • Beba muita água.
  • Coma mais plantas do que carne.
  • Reduza a quantidade de açúcar em sua dieta.
  • Exercite-se sempre que puder.
  • Trabalhe para atingir e manter seu peso saudável.

Você pode descobrir que certos alimentos pioram os seus sintomas, como o glúten ou o MSG.

Se for esse o caso, mantenha um diário alimentar onde você monitora o que come e como se sente após cada refeição.

Compartilhe este diário com seu profissional de saúde. Eles podem ajudá-lo a identificar quaisquer alimentos que agravem seus sintomas.

Evitar esses alimentos pode ser benéfico para ajudá-lo a controlar seus sintomas.

Alívio da dor da fibromialgia

A dor da fibromialgia pode ser desconfortável e consistente o suficiente para interferir na sua rotina diária.

Não se contente apenas com a dor. Converse com seu profissional de saúde sobre as maneiras de gerenciá-lo.

Uma opção é tomar analgésicos como:

  • aspirina;
  • ibuprofeno;
  • naproxeno sódico.

Esses medicamentos podem:

  • ajuda com desconforto;
  • níveis mais baixos de dor;
  • ajudá-lo a gerenciar melhor sua condição.

Esses medicamentos reduzem a inflamação. Embora a inflamação não seja uma parte primária da fibromialgia, ela pode estar presente como uma sobreposição com AR ou outra condição. Os analgésicos podem ajudá-lo a dormir melhor.

Observe que os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) têm efeitos colaterais.

Aconselha-se cautela se os AINEs forem usados ​​por um longo período de tempo, como geralmente é o caso no tratamento de uma condição de dor crônica.

Converse com seu profissional de saúde para criar um plano de tratamento seguro que funcione bem para ajudá-lo a controlar sua condição.

Antidepressivos e anticonvulsivantes são duas outras classes de medicamentos que seu profissional de saúde pode prescrever para controlar sua dor.

Práticas como ioga, acupuntura e fisioterapia também podem ajudar a aliviar a dor da fibromialgia.

A fadiga da fibromialgia pode ser tão difícil de controlar quanto a dor. Aprenda estratégias para ajudá-lo a dormir melhor.

Vivendo com fibromialgia

Sua qualidade de vida pode ser afetada quando você convive com dor, fadiga e outros sintomas diariamente.

O que complica as coisas são os mal-entendidos que muitas pessoas têm sobre a fibromialgia.

Como seus sintomas são difíceis de ver, é fácil para as pessoas ao seu redor rejeitarem sua dor como algo imaginário.

Saiba que sua condição é real. Seja persistente em sua busca por um tratamento que funcione para você.

Você pode precisar tentar mais de uma terapia, ou usar algumas técnicas combinadas, antes de começar a se sentir melhor.

Conte com pessoas que entendem o que você está passando, como:

  • seu profissional de saúde;
  • amigos próximos;
  • um terapeuta.

Seja gentil consigo mesmo. Tente não exagerar. Mais importante ainda, tenha fé que você pode aprender a lidar com sua condição e gerenciá-la.

Fatos e estatísticas sobre fibromialgia

A fibromialgia é uma condição crônica que causa:

  • dor generalizada;
  • fadiga;
  • dificuldade em dormir;
  • depressão.

Atualmente, não há cura e os pesquisadores não entendem completamente o que causa isso.

O tratamento se concentra em medicamentos e mudanças no estilo de vida para ajudar a aliviar os sintomas.

Cerca de 4 milhões de americanos com idade igual ou superior a 18 anos, ou cerca de 2% da população, foram diagnosticados com fibromialgia.

A maioria dos casos de fibromialgia é diagnosticada em mulheres, mas homens e crianças também podem ser afetados. A maioria das pessoas é diagnosticada na meia-idade.

A fibromialgia é uma condição crônica (de longo prazo). Mas algumas pessoas podem experimentar períodos do tipo remissão em que a dor e a fadiga melhoram.

Via: healthline



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *